PUBLICIDADE
Notícias

Advogado de acusados de estupro na Índia denuncia confissão forçada

Sharma havia afirmado anteriormente que provaria que os seus clientes não são responsáveis pelo crime, mas negou que acusaria a vítima

09:57 | 10/01/2013
AFP
AFP

O advogado que defende três dos autores do estupro coletivo de uma estudante de 23 anos, em Nova Délhi, acusou a polícia de forçar a confissão dos suspeitos, que deverão se apresentar na justiça pela segunda vez nesta quinta-feira.

"Todos os acusados foram espancados pela polícia, que usou de força para extrair declarações que se encaixam nas provas recolhidas", denunciou à AFP o advogado M.L. Sharma.

"Meus clientes foram forçados a confessar os crimes que não cometeram", sustentou em frente ao Tribunal de Saket, ao sul da capital, antes da chegada dos cinco acusados.

Questionado sobre as acusações, um porta-voz da polícia se recusou a comentar.

De acordo com Sharma, seus clientes têm a intenção de se declarar inocentes das acusações de sequestro, estupro e assassinato da estudante indiana no dia 16 de dezembro em um ônibus em Délhi. A jovem faleceu em razão dos graves ferimentos sofridos durante a agressão.

Os outros dois acusados não têm advogado de defesa, enquanto o sexto, de 17 anos, será julgado em um tribunal para menores de idade.

Sharma havia afirmado anteriormente que provaria que os seus clientes não são responsáveis pelo crime, mas negou que acusaria a vítima.

Em uma recente entrevista à Bloomberg, o advogado considerou que o namorado da estudante, que a acompanhava, era "totalmente responsável" pelo ataque, porque o casal não deveria se encontrar na rua à noite.

"Até o momento eu não vi um único exemplo de estupro de uma mulher respeitável", declarou.

Sobre esta declaração, o advogado garantiu à AFP que não tentou difamar a vítima.

"Eu falei com a Bloomberg, mas não disse nada sobre a vítima. Eu só disse que as mulheres são respeitadas na Índia, sejam mães, irmãs, amigas, mas diga-me que país respeita uma prostituta?!"

Questionado se, portanto, considerava a vítima como uma prostituta, o advogado respondeu: "não, claro que não, mas eu tenho que defender meus clientes e provar que eles não cometeram esse crime hediondo".

Os cinco acusados maiores de idade têm entre 19 e 35 anos e terão que se apresentar, na tarde desta quinta-feira, ao tribunal, depois de uma primeira audiência na segunda-feira realizada a portas fechadas, conforme as leis locais em caso de estupro.

Uma fonte judicial indicou na segunda-feira que o caso deve ser oficialmente transferido para outra instância nesta quinta para permitir um processo acelerado.

Estuprada diversas vezes, agredida violentamente com uma barra de ferro, a vítima foi jogada seminua para fora do ônibus.

Ela morreu de seus ferimentos em um hospital em Cingapura, para onde havia sido transferida após ser submetida a três cirurgias na Índia.

Seu namorado, testemunha do drama, também foi espancado.

Este incidente revoltou a opinião pública na Índia e fez com que milhares de mulheres manifestassem nas ruas de Nova Délhi exigindo mais segurança e mais atenção por parte da polícia e da justiça em relação aos crimes de violação e agressão sexual.

 

AFP

TAGS