PUBLICIDADE
Notícias

Merkel e Hollande defendem permanência da Grécia na zona do euro

03:54 | 16/05/2012
Presidente francês foi recebido pela chanceler federal alemã em Berlim. Líderes reconhecem a importância da parceria entre os dois países e manifestam disposição em continuar ajudando economia grega. Logo depois de tomar posse nesta terça-feira (15/05) e nomear Jean-Marc Ayrault como primeiro-ministro, o novo presidente francês, François Hollande, embarcou para a Alemanha, onde foi recebido com honras militares pela chanceler federal alemã, Angela Merkel. Antes de chegar a Berlim, no entanto, Hollande enfrentou contratempos. O avião em que o presidente voava para a Alemanha foi atingido por um raio durante uma tempestade, e a tripulação decidiu voltar a Paris para trocar de aeronave. Crise do euro Sobre a crítica situação da Grécia, a chefe de governo alemã disse que ela e Hollande desejam que o país permaneça na zona do euro e que fariam de tudo para ajudar os gregos em sua recuperação financeira. O presidente francês reiterou que a Grécia deve manter suas obrigações e que a Europa está pronta para agir no sentido de estimular o crescimento econômico. Hollande havia reiterado, antes do encontro com Merkel, a intenção de propor um novo pacto aos líderes europeus, que "combine a necessária redução da dívida pública com o indispensável estímulo da economia". "Para superar a crise, a Europa precisa de projetos, de solidariedade, de crescimento", disse. Merkel já havia se pronunciado, porém, contra a renegociação do pacto fiscal da União Europeia (UE). No entanto, a líder alemã destacou na noite desta terça-feira que a França e a Alemanha reconhecem sua responsabilidade conjunta. Ambas precisam apresentar juntas propostas para estimular o crescimento econômico do bloco na cúpula da UE do próximo mês, disse a chanceler federal. "Será muito importante que a Alemanha e a França apresentem suas ideias juntas e trabalhem lado a lado para prepará-las." Socialistas no poder Hollande, 57 anos, assumiu o cargo uma semana e meia depois de vencer o segundo turno das eleições presidenciais francesas. Há 17 anos, a França não tinha um presidente socialista, desde que François Mitterrand governou o país entre 1981 e 1995. Ayrault, designado por Hollande para primeiro-ministro, liderou o Partido Socialista (PS) no parlamento durante 15 anos. Considerado de posição moderada, o ex-professor de alemão, de 62 anos, foi preferido à líder do partido, Martine Aubry, considerada mais orientada à esquerda. LPF/dpa/afp/rtr Revisão: Roselaine Wandscheer

TAGS