PUBLICIDADE
Notícias

AFP - Strauss-Kahn processa camareira que o acusa de agressão sexual

08:26 | 15/05/2012

Nova York, 15 Mai 2012 (AFP) - O ex-diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) Dominique Strauss-Kahn apresentou uma ação com pedido de um milhão de dólares contra a funcionária do hotel de Nova York que o acusou de agressão sexual, informa o jornal New York Post.


Um ano depois da explosão do escândalo, o ex-aspirante à candidatura presidencial pelo Partido Socialista francês acusou Nafissatou Diallo de "apresentar com conhecimento de causa e intencionalmente uma denúncia falsa às autoridades", afirma o jornal.


A demanda, apresentada na segunda-feira na Suprema Corte do Bronx, indica que a "falsa acusação maliciosa e gratuita" prejudicou a reputação de Strauss-Kahn, assim como suas "oportunidades profissionais".


Antes da acusação de agressão sexual apresentada por Diallo ter provocado sua prisão ano passado em Nova York, Strauss-Kahn era considerado o favorito do Partido Socialista francês para tentar derrotar o presidente Nicolas Sarkozy.
Mas o candidato foi François Hollande, que derrotou Sarkozy nas urnas e assumiu a presidência nesta terça-feira.


O New York Post destaca também que Strauss-Kahn acusa Diallo de "acusação maliciosa, abuso judicial, falsa prisão, difamação e infligir intencionalmente angústia emocional".


A equipe de defesa de Strauss-Kahn conseguiu arquivar o caso penal, mas Diallo iniciou um processo civil, que teve prosseguimento depois que o juiz negou ao ex-diretor do FMI a imunidade diplomática.


Além disso, Strauss-Kahn foi envolvido em um caso de uma rede de prostituição na França, apesar de ter insistido que não sabia que as mulheres com as quais se envolveu em orgias eram prostitutas.

TAGS