PUBLICIDADE
Notícias

Reino Unido comemora discretamente os 30 anos da guerra das Malvinas

14:39 | 28/03/2012

LONDRES, 28 Mar 2012 (AFP) - O Reino Unido vai comemorar o 30º aniversário de sua vitória na guerra das Malvinas sem grandes atos, mas com ânimo para reafirmar sua posição de soberania sobre as ilhas que controla desde 1833, em meio a uma crescente tensão com a Argentina.

Em 2 de abril, três décadas depois do desembarque das tropas argentinas no arquipélago austral, será acendida uma vela na capela do Memorial Nacional Arboretum Alrewas (centro da Inglaterra), que permanecerá acesa durante 74 dias, mesmo período que durou o conflito.

Neste mesmo local, será inaugurado, em 20 de maio, um novo monumento dedicado aos 255 membros das forças armadas britânicas mortos na guerra, em um ato apresentado como de maior importância para as comemorações.

São esperados mais de 500 veteranos e familiares de vítimas na cerimônia oficial nas ilhas que os britânicos chamam Falklands, em um ato que contará também com a representação governamental.

O governo britânico, que se nega a negociar a soberania usando como argumento o direito dos habitantes da ilha à autodeterminação, colaborou com as autoridades locais em uma programação de eventos tanto na metrópole como no território, através de seus ministérios de Defesa e de Relações Exteriores, .

As celebrações não terão o esplendor do 25º aniversário, que culminou em uma grande parada com 10 mil veteranos pelo centro de Londres, que teve a participação de figuras como a ex-primeira-ministra Margaret Thatcher, que ordenou o envio de uma força naval para recuperar o remoto arquipélago do sul do Atlântico, e os príncipes Charles e Andrew, filhos da rainha Elizabeth II.

Em Londres, a exposição "A marinha mercante na campanha das Malvinas", que estará aberta de 1 de abril a 28 de maio a bordo do "HQS Wellington", ancorado no Tâmisa, destacará o papel desempenhado por dezenas de navios mercantes no conflito transportando homens, equipamentos e suprimentos.

As comemorações se intensificarão em junho. No dia 14, aniversário da rendição argentina, será realizado o tradicional desfile em Port Stanley, capital das Malvinas, a que os argentinos chamam Puerto Argentino, com a presença do Secretário de Estado de Relações Exteriores para a América Latina, Jeremy Browne.

Em 16 de junho, no fim de semana, será realizado também o memorial anual, organizado pela Associação das Famílias de Falkland na catedral londrina de Saint Paul, seguida, no dia seguinte, por outra cerimônia em recordação na Capela Memorial da Universidade de Pangbourne, perto de Reading, a oeste da capital.

Por fim, as celebrações do Dia Nacional das Forças Armadas em 30 de junho também serão marcadas por essa temática.

Ainda que o Reino Unido não tenha a tradição de marcar os aniversários de número 30, somente os 25 e os 50, as comemorações da guerra das Malvinas coincidem, em 2012, com um aumento da tensão com a Argentina e com uma grande movimentação patriótica devido ao jubileu de diamantes de Elizabeth II e os Jogos Olímpicos de Londres.

TAGS