Participamos do

Tiro que matou vendedora em shopping partiu da arma do segurança da loja, conclui perícia

O laudo tem data do dia 1º de setembro e O POVO teve acesso hoje
10:35 | Set. 09, 2021
Autor Angélica Feitosa
Foto do autor
Angélica Feitosa Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O tiro que matou a vendedora Caroline Alves da Rocha, no último dia 20 de agosto, na joalheria Tânia Joias, no shopping Iguatemi, partiu da arma do segurança da loja. Foi o que concluiu o laudo da Perícia Forense do Ceará (Pefoce), datado do dia 1º de setembro, o qual O POVO teve acesso na manhã desta quinta-feira, 8. A conclusão do laudo, no qual foram analisados a arma do segurança, um revólver marca Taurus, calibre 38, o estojo e sete projéteis, foi a de que a bala que atingiu a vendedora apresenta convergência com a posição da arma do segurança e percorreu o cano da arma.

Clique aqui para baixar o PDF.

LEIA MAIS| Funcionária morta durante assalto em shopping de Fortaleza tem corpo enterrado

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Em nota, a Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) informa que equipes da Coordenadoria de Medicina Legal (Comel), Coordenadoria de Perícia Criminal (Copec), Coordenadoria de Análises Laboratoriais Forenses (Calf) e Coordenadoria de Identificação Humana e Perícias Biométricas (CIHPB) atuaram nas perícias técnicas para subsidiar a investigação do latrocínio que resultou na morte de uma mulher em uma joalheria, em um shopping de Fortaleza, no dia 20 de agosto.

Suspeitos de envolvimento no latrocínio tiveram prisão preventiva decretada
Suspeitos de envolvimento no latrocínio tiveram prisão preventiva decretada (Foto: Reprodução/SSPDS)

Ainda na nota, a instituição avisa que as equipes da Pefoce forneceram, para a investigação, laudos de microcomparação balística e eficiência de arma, exame residuográfico, identificação de perfis genéticos, exame de lesão corporal, identificação necropapiloscópica, exame cadavérico, perícia de local de crime e exame de extração de imagens audiovisuais de DVR (digital video recorder), entre outros. Todos os laudos foram encaminhados na última semana para a Polícia Civil para auxiliar na investigação do caso.

Também por meio de nota, o shopping Iguatemi informa que permanece acompanhando a apuração do episódio e somente irá se pronunciar após a conclusão final dos laudos e das investigações.

A joalheria informou que, no momento, prefere não se pronunciar.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags