PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

"Estado deu a resposta que esse caso grave merecia", afirma secretário sobre morte de PM

Três pessoas foram presas e um outro suspeito, o mesmo que efetuou os disparos contra o agente, morreu em troca de tiros com a Polícia

16:52 | 14/07/2021
Os criminosos levaram a arma de fogo do PM (Foto: Reprodução)
Os criminosos levaram a arma de fogo do PM (Foto: Reprodução)

Durante entrevista coletiva sobre a prisão dos suspeitos de terem participado do homicídio do policial militar Thiago Araújo do Nascimento, 26, o titular da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) Sandro Caron afirmou que será cobrado respeito dos criminosos aos agentes de segurança. “Fica aqui o nosso registro: aqui no Estado do Ceará, bandido tem que respeitar a Polícia. Toda vez que ocorrer um crime grave, haverá uma ação imediata com respostas rápidas do Estado". Caron acrescenta: "Estado deu a resposta que esse caso grave merecia".

A entrevista ocorreu no fim da manhã desta quarta-feira, 14, na sede da SSPDS, no bairro São Gerardo, em Fortaleza. A prisão dos suspeitos ocorreu em cerca de cinco horas após o assassinato do PM. Três pessoas foram capturadas pelo crime e um quarto suspeito, o que aparece nas imagens de segurança atirando contra o militar, morreu em troca de tiros com a Polícia, no mesmo dia do crime. Com os presos, foram encontradas drogas e armas de fogo.

O militar é, pelo menos, o terceiro agente de segurança assassinado este ano no Ceará. No último dia 7 de maio, um policial militar do Comando de Policiamento de Choque (CPChoque) foi baleado e morreu no bairro Papicu. Ele estava de folga e realizava estágio do curso de Engenharia Civil em obra em construção, quando foi alvejado por disparos de armas de fogo. Diego Oliveira Martins, 35, chegou a ser levado para uma unidade hospitalar, mas não resistiu aos ferimentos.

Outro caso de homicídio contra agente de segurança ocorreu me abril. Um escrivão da Polícia Civil foi morto enquanto colhia depoimento de um homem autuado por tráfico de drogas na madrugada do dia 30, em Tauá, a 347 km de Fortaleza. Aloizio Alves de Lima Amorim, 60, registrava o depoimento de Antônio Josivan Lopes Silva, 30, que já respondia por latrocínio tentado, e estava sendo autuado em flagrante por tráfico de drogas, na Delegacia Regional da cidade. Nesse momento, segundo a Polícia, Josivan pegou a arma do escrivão e atirou contra o policial civil. Foram realizados os primeiros socorros ainda na delegacia, porém, o agente não resistiu aos ferimentos e morreu.

Já no dia 3 fevereiro, um cabo da Polícia Militar de 42 foi atingido por tiros e morreu na avenida Duque de Caxias, no Centro da Capital. Carlos Eduardo Pinheiro Gurgel ainda chegou a ser socorrido por populares em uma picape, mas não resistiu aos ferimentos. Imagens de segurança flagraram os tiros contra o agente e o PM sendo resgatado em seguida. Pelo crime, quatro pessoas foram presas.

O POVO solicitou à SSPDS o números de agentes de segurança que foram mortos e feridos este ano no Estado e aguarda uma resposta.