PUBLICIDADE
Fortaleza
Noticia

Impasse gera conflito entre administradora e permissionários no Mercado dos Peixes

Trabalhadores afirmam sofrer ameaças da concessionária do local. Administradora aponta que "as informações que circulam não passam de boatos"

Marcela Tosi
14:51 | 07/07/2021
Permissionários do Mercado dos Peixes realizaram manifestação na manha desta quarta-feira, 7 de julho (Foto: Thaís Mesquita/ O POVO)
Permissionários do Mercado dos Peixes realizaram manifestação na manha desta quarta-feira, 7 de julho (Foto: Thaís Mesquita/ O POVO)

O Mercado dos Peixes de Fortaleza, localizado na avenida Beira Mar, não abriu na manhã desta quarta-feira, 7. Isso porque os permissionários do local realizam um protesto contra ações que eles afirmam estarem sendo feitas pela atual administradora do Mercado. 

Os manifestantes empunhavam faixas com frases que reivindicavam a saída da atual administradora do mercado. "O Mercado é do povo", dizia um dos cartazes. Outra faixa, carregada pelos permissionários, ilustrava a posição contrária ao atual grupo administrador, "Privatização = Família sem refeição". As camisas utilizadas pelos manifestantes faziam referência à presença dos permissionários no local durante os últimos 40 anos.

"A gente trabalha aqui há mais de 25 anos, e estamos sendo pressionados de toda maneira para abrir mão. A gente não quer sair daqui", afirma Edna dos Santos, filha de uma das permissionárias. "Não tem diálogo. Quando chegam perto da gente, é só ameaça." Ela aponta que outras manifestações podem ser realizadas pelos permissionários que desejam "trabalhar em paz". "É só isso que a gente pede."

Entre os manifestantes, circula a informação de que a Parkfor, concessionária do Mercado, fechou contrato com uma cervejaria e, por isso, estaria pressionando contra os boxes que têm outros fornecedores. Além disso, haveria a tentativa de "rateio dos custos desse contrato" com os permissionários. "Meus pais estão na barraca há mais de 40 anos. Tudo tem que ser na base do diálogo, e não está tendo isso", diz Paulo Moura.

Policiais militares estiveram no local para garantir a segurança dos manifestantes e das pessoas que passeavam pela orla. O protesto ocorreu de forma pacífica, e não houve registro de confusões. Com um microfone e caixas de som, lideranças do movimento exaltavam o ato e pediam melhorias.

Neto Valter, que trabalha no box de sua avó, coloca que os permissionários vêm sofrendo retaliações. "Estamos só reivindicando nosso direito de trabalho. Minha avó trabalha aqui há mais de 50 anos", conta. "Não é justo que uma empresa que chegou há menos de um ano queira usufruir do nosso suor. A associação de permissionários tem condições de tomar conta do Mercado, mas a Prefeitura não deu esse poder para a gente. Deu para essa empresa que está querendo tomar o Mercado da gente", queixa-se. 

Clique na imagem para abrir a galeria

Segundo os permissionários, o sentimento é de que o grupo perdeu um espaço passado por gerações. Além das queixas relacionadas à atual administração, o grupo critica o fato de nunca ter sido consultado durante o processo de mudança administrativa.

"Eles falam todo dia que são donos do mercado e que não podemos mover uma palha por aqui. Entregaram a gente de bandeja para eles. Nunca tivemos uma reunião para falar o que estava acontecendo. Temos uma associação que está lutando junto. É aqui que tiramos o pão de cada dia, aqui só tem trabalhador", desabafa Adalberto Nogueira, 56, que trabalha há 38 anos no local.

Roger Ronnes, 47, afirma ter sofrido com problemas de saúde após ameaças da perda do box de vendas em caso de morte do permissionário responsável. Os espaços são tradicionalmente passados de pai para filho.

"Achei uma covardia com as várias famílias que dependem desse mercado. Eu quase entrei em depressão com a forma que eles chegaram aqui. Intimidando a gente, dizendo que se o permissionário falecer, o box ficaria com a empresa, saindo do nome da família", relata.

O que diz a Administradora

Em junho de 2020, a Parkfor venceu a concorrência pública para concessão do Mercado dos Peixes, no Mucuripe, por 18 anos. A empresa ofertou R$ 4 milhões para administrar o equipamento. No mês seguinte, a Parkfor também venceu a licitação da Prefeitura para implantação do Polo Gastronômico Largo dos Tremembés.

Atualmente, o Mercado dos Peixes possui 49 boxes e quatro funcionam exclusivamente para fritura dos peixes e mariscos, conforme o termo de permissão da Prefeitura, com o objetivo de incentivar o cliente a comprar o peixe fresco, levar para fritura e consumir no local.

Em nota, a Administradora Mercado dos Peixes, subordinada à Parkfor, afirma que "não existe nenhuma imposição por parte da concessionária aos permissionários, que não receberam informação oficial, nem qualquer custo sobre nenhum insumo". "As informações que circulam não passam de boatos", completa.

A empresa aponta ainda que "a manutenção é uma melhoria para os permissionários e está dentro do cronograma de execução". "Infelizmente, toda obra causa algum tipo de inconveniente, mas a finalidade é justamente oferecer maior comodidade e melhores condições de trabalho para os permissionários", pondera. Conforme a administradora, o aluguel de cada box permanecerá a R$ 69, e o projeto de modernização fará a legalização da venda de bebidas, "que hoje é praticada de forma ilegal pelas frituras".

Melhorias para o Mercado

O arquiteto Luiz Deusdara, sócio da Administradora do Mercado dos Peixes, destaca que o local passa por uma série de melhorias. "A primeira coisa que fizemos foi a implantação de um serviço de limpeza e conservação do Mercado. Nós temos uma empresa, exclusiva, encarregada de limpeza de banheiro, das áreas de alimentação e das áreas comuns", relata. Segundo Deusdara, o local também recebeu melhorias na segurança. Acomodações para receber um batalhão do Batalhão de Policiamento Turístico (BPTur) foram instaladas.

O representante da administradora destaca também que o local passou a ter um alvará de prevenção e combate a incêndio, além de receber uma modernização nas instalações sanitárias. A segurança alimentar também é um foco do grupo, segundo ele.

"Estamos implantando o serviço de orientação em segurança alimentar. Temos que dar ao cidadão de Fortaleza a segurança de que o que ele está consumindo no Mercado dos Peixes é um produto de qualidade. Não podemos permitir que produtos vencidos, produtos estragados sejam vendidos à população de Fortaleza", destaca

Deusdara garante ainda que outras melhorias farão parte do local. Um sinal de internet via Wi-fi deverá ser implementado durante a modernização do local. A recuperação do piso de madeira do mercado também está na pauta do projeto, além de melhorias nas cadeiras e cobertura do local. Futuramente, o plano é que o Mercado tenha estrutura para oferecer seus produtos por meio drive-thru, além de ofertar um serviço de entregas pela cidade.

Projeto para o Mercado dos Peixes

O local vem passando por uma reestruturação que contempla infraestrutura física, capacitação dos permissionários, coordenação rígida de segurança alimentar e criação de um restaurante especializado em frutos do mar. Há também a previsão de um novo estacionamento, com 100 vagas para carros e motos.

Em maio, estava em execução a cobertura do Mercado. Na época, O POVO divulgou com exclusividade fotos da modernização do novo Mercado dos Peixes, situado no Mucuripe. 

Confira a nota da Administradora Mercado dos Peixes na íntegra:

"A respeito do protesto desta quarta-feira (07/07) que tem à frente os permissionários do Mercado dos Peixes, situado no Mucuripe, a Administração do local informa que o Mercado vem passando por um processo amplo de modernização, que contempla melhoria da infraestrutura física, programa de capacitação dos permissionários, coordenação rígida de segurança alimentar e criação de um restaurante.

A manutenção é uma melhoria para os permissionários e está dentro do cronograma de execução. Infelizmente, toda obra causa algum tipo de inconveniente, mas a finalidade é justamente oferecer maior comodidade e melhores condições de trabalho para os permissionários. Outro ponto da reforma é o estacionamento, com a normatização e regularização do equipamento de acordo com as legislações municipais, estaduais e federais. A cobrança do estacionamento é exclusiva para carros e motos, com o preço mais barato de toda a região, a fim de organizar o fluxo de veículos no local e dar preferência aos clientes do mercado.

Atualmente, o Mercado dos Peixes possui 49 boxes, sendo que quatro funcionam exclusivamente para fritura dos peixes e mariscos, conforme o termo de permissão da Prefeitura, com o objetivo de incentivar o cliente a comprar o peixe fresco, levar para fritura e consumir no local, o que não será prejudicado com a instalação do restaurante.

Além disso, o valor do aluguel do box de R$69 será mantido aos permissionários. Não existe previsão de reajuste, inclusive consta no programa a legalização da venda de bebidas no local que hoje é praticada de forma ilegal pelas frituras. Com o processo de melhoria e modernização do local, a expectativa é implantar também serviço de drive thru e delivery, visando, principalmente, otimizar o atendimento para a população.

Ressalte-se ainda que não existe nenhuma imposição por parte da concessionária aos permissionários que não receberam informação oficial, nem qualquer custo sobre nenhum insumo. As informações que circulam não passam de boatos".

 

Colaborou Gabriel Borges