PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Mãe de bebê encontrado morto no Quintino Cunha é presa suspeita de abandono de incapaz

Na residência da mulher, durante a madrugada em que foi registrada a morte, estavam apenas cinco crianças entre 4 meses e 12 anos

Júlia Duarte
11:23 | 01/07/2021
Mais informações foram repassadas em coletiva (Foto: Angélica Feitosa/O POVO)
Mais informações foram repassadas em coletiva (Foto: Angélica Feitosa/O POVO)

A Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) capturou a mãe, de 37 anos, de um bebê de 4 meses, que morreu na quarta-feira, 30, no bairro Quintino Cunha, por circunstâncias suspeitas. As investigações estão sendo conduzidas  pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e apuram o crime de abandono de incapaz com resultado morte, sob responsabilidade da mãe da criança.

LEIA MAIS: Bebê de quatro meses é encontrado morto no Quintino Cunha

De acordo com a Polícia Civil do Ceará (PC-CE), no corpo não tinha sinais de violência. Segundo Augusto Soares Flávio, delegado da do DHPP, que estava de plantão no dia da ocorrência, o caso começou com um chamado de maus tratos no bairro. "Nós apuramos que na casa viviam uma mãe com seus filhos menores. Essa mãe viciada em crack, abandonou as crianças por volta de 1h da manhã", explicou. De acordo com o delegado, ficaram na residência uma criança de 12 anos, um menino de 8 anos, outro de 1 anos e oito meses, além dos gêmeos de 4 meses, um deles que veio a óbito. 

A filha mais velha, de 12 anos, contou à Polícia que alimentou os irmãos mais novos ainda na madrugada e voltou a dormir. "Ela acordou por volta das 6 horas da manhã, com a bebê gêmea chorando e o outro roxo, parecendo não respirar. Ela correu e pediu ajuda a uma vizinha", pontuou ainda o delegado. Os agentes da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) estiveram no local e, segundo o delegado, constataram sinais de engasgo ou convulsão, mas apenas o laudo poderá definir a causa da morte. 

O pai das crianças se apresentou na delegacia e afirmou ser caseiro. Por isso, ele passaria em torno de 15 dias longe de casa, retornando, geralmente nas quintas-feiras. O homem contou em depoimento que a mãe já tinha histórico de deixar as crianças sozinhas e essa não seria a primeira vez que o mesmo acontecia. A vizinha, que prestou os primeiros socorros, também confirmou a versão de que a mulher deixava as crianças sozinhas, para consumir drogas. 

Prisão

A prisão da mãe das crianças foi resultado também da pressão do tráfico da região. De acordo com a titular da 6ª delegacia, Anna Cláudia Nery, a presença da polícia na região na busca pela mulher incomodou o tráfico na região. "Ela só se entregou, porque o tráfico local exigiu. A gente foi em locais que ela costuma ficar e isso trouxe um desgaste para o comércio. Exigiram que ela se entregasse ou ia ser morta", pontuou a titular. 

Com informações de Angélica Feitosa