PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Oposição indica fraudes e irregularidades em pleito eleitoral do Sindifort

A chapa de oposição, "Vamos Mudar", relata que Nascelia Silva, eleita presidente, manipulou a Comissão Eleitoral para se favorecer. Além disso, na ação constam outras ocorrências ilícitas

10:33 | 23/02/2021

A posse dos recém-eleitos integrantes da diretoria do Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Fortaleza (Sindifort) foi suspensa nesta segunda-feira, 22, pelo juiz da 25ª Vara Cível, Maurício Fernandes Gomes, mediante ação ajuizada pela chapa 2, que concorreu nas eleições em oposição à eleita. A ação, encabeçada por Eriston Lima Ferreira, candidato à Presidência da instituição, aponta que o pleito eleitoral foi composto por irregularidades.

LEIA MAIS
» Chapa 2 questionará judicialmente resultado da eleição do Sindicato dos Médicos do Ceará
» Maternidade Escola cadastra novas doadoras de leite; unidade tem 50 bebês internados

A chapa de oposição, “Vamos Mudar”, relata que Nascelia Silva, eleita presidente, manipulou a Comissão Eleitoral para se favorecer. Além disso, na ação constam outras ocorrências ilícitas, como uso de recurso do Sindicato para financiar campanha em favor da chapa 1, mudança repentina de horários e locais de votação na véspera das eleições para prejudicar concorrentes, e protocolação de documentos após prazo de inscrição definido por edital. No total, 29 irregularidades apontadas por Ferreira serão investigadas.

Além de suspender a vitória da chapa 1, “Experiência e Renovação”, a ação judicial também prorroga o mandato do quadriênio de 2016–2020 até o fim da investigação. Caso descumpra a ordem de prorrogação, o Sindifort estará sob pena de aplicação de multa diária de R$ 10 mil. Ainda, o documento solicita a anulação do envolvimento da chapa vencedora no pleito eleitoral e a posse dos integrantes da “Vamos Mudar”.

O juiz Gomes determinou o envolvimento do Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), que apurará as denúncias e atuará como fiscal da ordem jurídica. Caso as fraudes sejam comprovadas, a autarquia também será responsável pela responsabilização cível e penal dos sujeitos envolvidos.

Diretoria aguarda comunicado da Justiça 

 

O POVO entrou em contato com o Sindifort e a atual presidenta do sindicato, Nascelia Silva. A sindicalista afirma ainda não ter sido notificada sobre a suspensão do pleito: “ainda não fomos notificados. Aguardamos a notificação para podermos nos pronunciar”.