PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Polícia fecha empresa clandestina de óleo vegetal

Estabelecimento funcionava às margens de um córrego proveniente da Lagoa do Opaia, situada em uma Área de Preservação Permanente do Parque Urbano da área

20:43 | 07/02/2021
Polícia Civil fecha empresa clandestina de coleta e armazenagem de óleo vegetal (Foto: Divulgação/Polícia Civil )
Polícia Civil fecha empresa clandestina de coleta e armazenagem de óleo vegetal (Foto: Divulgação/Polícia Civil )

A Polícia Civil fechou uma empresa clandestina de coleta e armazenagem de óleo vegetal na última quarta-feira, 3 de fevereiro, no bairro Vila União, em Fortaleza. O material era utilizado para posterior revenda a fábricas de sabão. A polícia também constatou que milhares de litros de óleo vegetal estavam armazenados de forma irregular e que parte da substância era descartada no solo e em um córrego próximo ao local.

Segundo investigações feitas pela Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) a empresa chamada de Projeto Ama Reciclar, não possuía Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) nem alvará de funcionamento e licença ambiental. O estabelecimento funcionava às margens de um córrego proveniente da Lagoa do Opaia, situada em uma Área de Preservação Permanente do Parque Urbano da Lagoa do Opaia.

Durante a ação, os agentes também localizaram recibos e notas fiscais e conduziram o proprietário da empresa, um homem de 37 anos que não teve identidade divulgada, à delegacia. Ele foi autuado em flagrante pelos crimes de causar poluição e pelo funcionamento de serviço potencialmente poluidor, sem licença ou autorização dos órgãos competentes, ambos previstos na Lei de Crimes Ambientais.

Segundo a DPMA o óleo era recolhido de estabelecimentos comerciais, como restaurantes e barracas de praia, e passava por um processo denominado de decantação (separação de misturas heterogêneas do tipo líquido-sólido e líquido-líquido). Em seguida, o material era comercializado para empresas de produção de sabão em barra.

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) reforçou que a população pode contribuir repassando informações que auxiliem os trabalhos de fiscalização e prevenção. As denúncias podem ser feitas pelo Disque-Denúncia, número 181, ou no telefone (85) 3247-2630, da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA). O anonimato é garantido.