PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

"Você olha para a pessoa e recorda tudo o que ela fez com você", diz vítima de maníaco

O homem foi reconhecido pela vítima na delegacia, prestou depoimento e em seguida foi liberado pois não havia flagrante. Professora de 55 anos atacada quando voltava da padaria pede Justiça

Jéssika Sisnando
17:14 | 29/09/2020
Automóvel Fiat de cor branca é usado por criminoso para atacar mulheres no Henrique Jorge, em Fortaleza  (Foto: reprodução/vídeo )
Automóvel Fiat de cor branca é usado por criminoso para atacar mulheres no Henrique Jorge, em Fortaleza (Foto: reprodução/vídeo )

A professora de 55 anos atacada por um maníaco em um Fiat Branco no bairro Henrique Jorge, em Fortaleza, no último dia 20, vive as consequências de ter sido vítima da impunidade. Na quinta-feira, 24, o homem foi detido e ela o reconheceu, mas ele acabou liberado após prestar depoimento, pois a autoridade policial entendeu que não houve flagrante. "Você olha para a pessoa recorda tudo o que ela fez com você", diz a vítima.

Na manhã do dia 20, a professora voltava da padaria no bairro Henrique Jorge e foi abordada por um homem que saiu, repentinamente, de um Fiat de cor branca e usou de força para colocá-la no carro. Ela entrou em luta corporal com o criminoso e conseguiu fugir. Imagens de câmeras próximas flagraram toda a ação.

LEIA MAIS: 

Maníaco suspeito de atacar mulheres no Henrique Jorge é preso e liberado

Polícia investiga maníacos sexuais por crimes contra mulheres em ruas de Fortaleza e Caucaia

Mulher leva 22 facadas de ex-companheiro em Fortaleza e homem segue em liberdade

Na quinta-feira, 24, policiais do Comando Tático Motorizado (Cotam) prenderam um suspeito. Ele foi conduzido à delegacia e a vítima foi até a unidade policial, onde o reconheceu de imediato. "Quando eu cheguei vi que era a criatura que tinha tentado me fazer mal. Foi um baque grande. Você olha para aquela pessoa e recorda tudo o que ela fez com você. Ficou difícil de dormir. Eu fechava o olho e via a imagem de tudo o que eu tinha passado", relata

Para a professora, houve um segundo baque, que foi mais forte do que o reconhecimento do criminoso: quando ela soube que ele seria liberado. "Não tinha acontecido nada. Ele deu o depoimento e dormiu em casa. Fiquei indignada, pois continuo presa nessa situação. Com medo e sabendo que ele está livre e pode atacar a mim ou qualquer outra mulher. Ele nunca me viu e não me conhece", relata.

Mãe, avó e professora, ela afirma que não teve mais coragem de sair para comprar o pão ou de fazer atividades corriqueiras na rua. "Quem está punida sou eu, que sou cidadã e pago imposto. Sou mãe de família e estou presa", lamenta.

O homem que possui antecedentes criminais foi detido, ouvido no 10º Distrito Policial, bairro Antônio Bezerra e liberado. O caso é investigado pelo 27º DP, no Henrique Jorge. Outras mulheres utilizaram as redes sociais para denunciar que foram vítimas de um homem com as mesmas características. A vítima pede que as outras mulheres se manifestem e registrem Boletins de Ocorrência. "Quero que a Justiça seja feita. Se ele não pode viver em sociedade que fique preso. Ele representa perigo para as mulheres. Tem imagens que provam isso, eu o reconheci", finaliza. 

Caucaia

Em Caucaia, Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) mulheres que foram vítimas de um maníaco sexual em uma motocicleta criaram um grupo para obter relatos e incentivar o registro dos boletins de ocorrência. O criminoso atua no bairro Metrópole e há casos flagrados por câmeras de segurança. A Delegacia de Polícia Civil da área investiga o caso e o 12º Batalhão da Polícia Militar (BPM) intensificou o patrulhamento nas áreas de atuação do criminoso.