PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Inscritos no concurso público do IJF devem ter mais segurança na realização da prova, recomenda MPCE

O órgão organizou audiência virtual para discutir o adiamento da prova após receber denúncias de candidatos preocupados com as medidas sanitárias adotadas para realização do concurso

21:57 | 10/09/2020
O certame oferta 176 vagas em cargos de nível médio e superior para médicos, advogados, enfermeiros, fonoaudiólogos e outras especialidades (Foto: Aurelio Alves/O POVO)
O certame oferta 176 vagas em cargos de nível médio e superior para médicos, advogados, enfermeiros, fonoaudiólogos e outras especialidades (Foto: Aurelio Alves/O POVO)

O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) realizou nesta quinta-feira, 10, audiência extrajudicial online sobre a realização do novo concurso público do Hospital Instituto Doutor José Frota (IJF), previsto para acontecer no final de setembro e início de outubro. A reunião foi promovida após o MPCE receber denúncias de pessoas inscritas na prova levantando preocupações acerca das medidas sanitárias adotadas pela organização do concurso.

O concurso abriu inscrições em fevereiro de 2020, mas foi interrompido devido à pandemia de Covid-19, doença causada pelo coronavírus. As inscrições foram retomadas em 20 de agosto e encerradas em 2 de setembro. São ofertadas 176 vagas em cargos de nível médio e superior para médicos, advogados, enfermeiros, fonoaudiólogos e outras especialidades.

Na reunião, transmitida ao vivo pelo YouTube, estiveram presentes representantes da direção do IJF, do Instituto Municipal de Desenvolvimento de Recursos Humanos (Imparh), fundação organizadora do concurso, e uma representante dos denunciantes. A enfermeira inscrita no certame apresentou dúvidas sobre os protocolos de higiene que serão adotados, uma vez que o edital possui cerca de 14 mil pessoas inscritas.

Conforme explicou Mônica Feitosa, diretora de concursos e seleções do Imparh, as medidas tomada incluem o distanciamento dos candidatos dentro das salas de aplicação, a aferição de temperatura com dois termômetros, a utilização de álcool em gel e a exigência dos candidatos levarem pelo menos duas máscaras para o local de aplicação da prova.

De acordo com Riane Azevedo, superintendente do IJF, o hospital possui diversos leitos clínicos fechados por estarem sem a quantidade suficiente de profissionais para a administração dos espaços. A organização do hospital argumenta que, por ser de interesse público, os leitos não podem ficar parados por mais tempo e devem estar preparados para receber novos pacientes em caso do aumento do número de pessoas infectadas pela Covid-19 em Fortaleza.

Mediadora do diálogo, a promotora de Justiça do MPCE Ana Cláudia Uchoa alertou que o Imparh deve apresentar um plano de contingência mais detalhado que transmita mais segurança aos candidatos do certame. “É importante que esse concurso aconteça, mas o Imparh tem que passar segurança para os candidatos, vocês têm que passar uma coisa mais bem organizada, juntamente com a Vigilância Sanitária do Estado”, explicou.

“Nossa expectativa é de buscar a maneira mais segura que o concurso possa ocorrer, mas se a gente não encontrar essa segurança, nós também iremos falar e vamos estar fiscalizando para que não haja nenhum tipo de problema na realização deste concurso”, concluiu a promotora, frisando que o MPCE deve emitir uma manifestação apoiando ou não o adiantamento da prova após o recebimento do plano de contingência e o parecer da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa).