PUBLICIDADE
Fortaleza
Noticia

Única área com vegetação de cerrado na Capital é parcialmente desmatada no Cambeba

A área devastada era parte da Área de Relevante Interesse Ecológico (Arie), criada em 2016 pela lei municipal nº 10.537

16:02 | 12/12/2019
MÁQUINAS foram usadas para fazer um aceiro na área de Cerrado
MÁQUINAS foram usadas para fazer um aceiro na área de Cerrado (Foto: DEÍSA GARCÊZ/Especial para O POVO)

Atualizada às 20h06min de 12/12/2019

Parte da Área de Relevante Interesse Ecológico (Arie) do terreno dos Correios no Cambeba, em Fortaleza, foi desmatada nessa quarta-feira, 11. A unidade de preservação é conhecida por ser a única do Ceará com espécies da flora nativas do Cerrado. A vegetação do local, protegida pela lei municipal nº 10.537, foi devastada parcialmente por um trator de esteira, maquinário utilizado para trabalhos pesados, como terraplanagem e escavação.

Leonardo Jales, integrante do Movimento Pró-Árvore, disse que a intervenção foi feita com base em uma notificação de um órgão ambiental para a execução de um aceiro, procedimento que impede a propagação de incêndios em tempos mais secos.

Ele ponderou, no entanto, que o procedimento não costuma usar maquinário e derrubar árvores, mas consiste apenas em uma intervenção pontual, através de ferramentas manuais, como enxada e facão. A Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis) informou que uma equipe do órgão foi enviada ao local nesta tarde para checar o procedimento realizado.

Clique na imagem para abrir a galeria

Jales ainda comentou que não haveria motivo para realização de um aceiro neste momento, visto que o Estado está entrando no início da pré-estação chuvosa. O ativista afirma que após uma chuva como a que aconteceu nesta quarta-feira, a vegetação fica molhada por cerca de 30 dias, o que impossibilitaria a ocorrência de incêndios.

A ausência das árvores foi sentida por Francisco de Abreu, 55, vendedor ambulante na região há três meses. Ele reclamou que a cada dia as pessoas costumam dar menos valor à vegetação da Cidade. “Isso é uma vida, a gente precisa ter o mesmo cuidado que temos com os seres humanos”, alertou.

FORTALEZA, CE, Brasil. 12.12.2019: Desmatamento em terreno dos Correios na Cidade dos Funcionários. Na foto: Francisco de Abreu, 55, comerciante. (Fotos: Deísa Garcêz/Especial para O Povo)
FORTALEZA, CE, Brasil. 12.12.2019: Desmatamento em terreno dos Correios na Cidade dos Funcionários. Na foto: Francisco de Abreu, 55, comerciante. (Fotos: Deísa Garcêz/Especial para O Povo) (Foto: DEÍSA GARCÊZ/Especial para O POVO)

De acordo com João Alfredo, presidente da Comissão de Direito Ambiental da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e autor da proposta que tornou o terreno uma Arie, a intervenção representa claramente um crime ambiental e os responsáveis devem responder tanto civil como administrativamente. Ele afirmou que entrará com uma representação no Ministério Público Federal (MPF) para que o corte das árvores seja investigado.

O presidente lamenta que, mesmo com a aprovação da lei, as ações para estímulo à preservação, como a criação de um Conselho Gestor, não avançaram. “A Prefeitura abandona as unidades de conservação. Apenas uma delas (da Sabiaguaba) tem plano de manejo, mas ele não foi cumprido.”

O POVO entrou em contato com os Correios para saber como o desmatamento foi feito, mas não teve ligações atendidas ou retornadas. A reportagem ainda contatou a Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente, órgão responsável pela autorização de procedimentos como esse. A informação é de que uma equipe da Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis) foi ao local nessa terça-feira, 12, para verificar a situação. A resposta sobre o caso será dada na manhã desta sexta-feira, 13.