PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Policiais poderão fazer reconhecimento facial de suspeitos nas ruas usando câmera do celular

"Vamos continuar investindo na área tecnológica. Dando cada vez mais informações de qualidade para o policial na ponta", afirmou o secretário André Costa. Nova tecnologia começa a ser usada ainda este mês

Rubens Rodrigues
12:11 | 10/10/2019

Ainda neste mês de outubro, policiais poderão fazer reconhecimento facial de suspeitos sem identificação em abordagem nas ruas com nova versão do aplicativo Portal de Comando Avançado – PCA. A informação foi divulgada pelo titular da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), André Costa, nesta quinta-feira, 10. A ferramenta já permitia identificação biométrica.

O aplicativo, que reúne informações para as Polícias Militar e Civil, Corpo de Bombeiros e Perícia Forense, é uma das ferramentas que a SSPDS pretende continuar usando nas ruas nos próximos meses. Nesta manhã, o secretário anunciou a redução do número de homicídios pelo 18º mês seguido no Ceará. Em relação a setembro de 2018, a queda chega a 52,3%.

Em 2019, de janeiro a setembro, a maior queda foi registrada em Fortaleza. A redução chegou a 57,2% (de 1.157 para 495). Interior Norte também mostrou resultado positivo, de 699 para 324 casos (53,6% de redução). Já os crimes na Região Metropolitana passaram de 1.004 para 515 - cerca de 48% de redução. Interior Sul foi de 641 Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) para 337, registrando uma queda de 47,4%.

"Vamos continuar investindo na área tecnológica. Dando cada vez mais informações de qualidade para o policial na ponta", afirmou o secretário em coletiva de imprensa. Ele apresentou hoje aos gestores das vinculadas a nova versão do aplicativo. "Isso ninguém tem a nível de América Latina. Também não vimos na Europa nada nesse sentido".

"Vamos lançar este mês ainda o reconhecimento facial usando a câmera de celular, vendo toda a base RGs do Estado. Tem sido testado por algumas equipes e tem sido um grande sucesso", continua André Costa. "O policial que abordar alguém na rua sem documento em situação suspeita vai identificar de forma multi biométrica. Com (reconhecimento) digital, facial e cada vez mais precisão. Abordar quem precisa ser abordado e conquistar a legitimidade perante as pessoas e nas comunidades".