Participamos do

Preso suspeito de executar mulher após ela desembarcar de carro de aplicativo

Milena Soares da Silva, 18 anos, foi morta na última segunda, 22
11:11 | Jul. 24, 2019
Autor O POVO
Foto do autor
O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O suspeito de executar Milena Soares da Silva, de 18 anos, foi preso na manhã desta terça-feira, 23. Wellington Luís Esteves das Neves foi encontrado em uma casa no Dom Lustosa, mesmo bairro onde o crime aconteceu, após diligências realizadas pela Polícia Civil do Estado do Ceará.

Segundo investigações da Polícia, o crime teria acontecido por causa de dívidas de agiotagem. Milena devia R$ 1,5 mil a Wellington que, além de agiota, tem passagem na Polícia por tráfico de drogas.

Na última segunda, 22, Milena desembarcava de uma carro de aplicativo de transporte quando o acusado de 34 anos, em uma motocicleta, atirou e atingiu a mulher, que não resistiu aos ferimentos. O motorista também foi baleado de raspão. 

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

As investigações foram iniciadas no momento do crime, já na noite da segunda-feira, 22. Através de diligências, a polícia descobriu que Milena tinha chegado há pouco tempo em Fortaleza, vinda do município de Várzea Alegre, distante 467 quilômetros de Fortaleza. A jovem veio para a capital a fim de estudar e procurar emprego, mas, devido à sua atual situação financeira, acabou se endividando.

Para pagar as dívidas, Milena procurou Wellington, homem de 34 anos que pratica atos de agiotagens (empresta dinheiro para receber depois a juros). A jovem solicitou R$ 1.500 à Wellington - quantia que não conseguiu pagar. A partir disso, o homem providenciou a morte de Milena, que foi assassinada com arma de fogo.

A polícia localizou Wellington na manhã da terça, 23. Ele estava em sua casa, no mesmo bairro onde aconteceu o crime. Junto à ele, foram encontrados a motocicleta utilizada no crime, vestimentas apontadas pela investigação como as mesmas utilizadas na execução (devido às características informadas por testemunhas) e diversas cadernetas e agendas com nomes de pessoas e valores.

O delegado da 6° delegacia do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), Renato Almeida, presente na coletiva de imprensa durante a manhã desta quarta-feira, 24, considera os materiais provas de “uma clara prática de agiotagem”.

Além disso, dentro da residência também foram encontrados dois aparelhos telefônicos. Um deles continha informações pessoais do acusado, as quais ele se comprometeu a fornecer para as investigações. Wellington se recusou a desbloquear o segundo aparelho. A polícia, entretanto, acredita que este celular era o utilizado para se comunicar com Milena.

O crime aconteceu a dois quarteirões da casa dele, longe do local de trabalho dela. Milena estava trabalhando em um shopping de Fortaleza e morando na Praia do Futuro. “Ele usou de algum artifício para atraí-la até o local e, lá chegando, ele praticou o homicídio. Pelo que a gente pesquisou da vida da Milena, não foi encontrada nenhuma ligação com organização criminosa. A questão foi puramente agiotagem”, afirma o delegado. Na casa da vítima, foram encontradas livros e apostilas para concursos públicos.

De acordo com o delegado, a dívida de R$ 1.500 foi o que motivou a execução, mas não se sabe se existiam outras dívidas. A partir de agora, será investigada a rede de agiotagem da qual participa Wellington. “Além do crime de homicídio, essa prática de agiotagem também é crime contra a economia”, conta Renato.

Wellington era funcionário de uma empresa de segurança. Um contra-cheque no valor de R$ 1.500 foi encontrado em sua casa, o que o delegado considera “totalmente incompatível com o estilo que ele parecia levar dentro da casa”. Foram encontrados uma motocicleta avaliada em pelo menos R$ 30 mil - além da utilizada no crime-, um carro próprio, móveis novos.

Wellington tem passagem na polícia por tráfico de drogas. Ele foi autuado em flagrante por crime de homicídio qualificado e o ato da agiotagem será objeto de investigação no mesmo inquérito policial, já que são crimes conectados. Os contatos encontrados nas anotações do acusado, em momento oportuno, segundo delegado Almeida, serão chamados para comparecer à delegacia.

O motorista do carro que levava Milena foi atingido de raspão, mas a lesão não foi grave. O veículo apresenta a marca da perfuração. O crime aconteceu por volta das 20:40 horas no bairro Dom Lustosa. As investigações também irão apurar se o acusado tem cúmplices.

 

 

Com informações do repórter Leonardo Maia/Especial para O POVO

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags