PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

20ª Parada pela Diversidade Sexual reúne multidão na Beira Mar

O trio saiu às 19 horas da Avenida Beira-Mar

21:45 | 30/06/2019
FORTALEZA, CE, BRASIL, 30.06.2019: Parada GLBTI+ na Av. Beira mar.  (Fotos: Fabio Lima/O POVO)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 30.06.2019: Parada GLBTI+ na Av. Beira mar. (Fotos: Fabio Lima/O POVO)(Foto: Fabio Lima)

Beijos entre casais homoafetivos em público, roupas coloridas e fulgurantes. A liberdade de poder ser e mostrar quem é, todos os dias, se traduz em luta nas bandeiras, fantasias e discursos contra a violência, durante a 20° edição da Parada pela Diversidade Sexual do Ceará, que ocorre na avenida Beira-Mar, em Fortaleza. A mobilização começou às 19 horas e deve seguir até às 22 horas deste domingo, 30.

(Foto: Fabio Lima/O POVO)

Segundo os organizadores, o público estimado é de 1 milhão de pessoas. O trio elétrico é conduzido pelo coletivo As Travestidas. A segurança da manifestação está sendo realizada por 130 policiais militares, 20 guardas municipais e duas equipes de guarda-vidas. 

Além da comunidade LGBT, líderes de movimentos sociais, políticos e representantes do governo estadual estiveram presentes na manifestação. "A Parada é uma luta pela visibilidade massiva movida pelo desejo de que as pessoas LGBT não sofram qualquer tipo de restrição", afirma Francisco Pedrosa, presidente do Grupo de Resistência Asa Branca (Grab).

O público, com perfis diversos, se reuniu reuniu na avenida Beira Mar para reivindicar o fim da discriminação contra orientações sexuais e identidades de gênero
O público, com perfis diversos, se reuniu reuniu na avenida Beira Mar para reivindicar o fim da discriminação contra orientações sexuais e identidades de gênero (Foto: Fabio Lima )

Para a secretaria de Proteção Social, Justiça, Mulheres e Direitos Humanos, Socorro França, o evento é um ato de "humanismo". "Isso aqui é importante na vida de cada um. Até o maior tribunal do País entendeu que basta de violência", declara em alusão à decisão do Supremo Tribunal Federal em tipificar a homofobia e a transfobia como crimes correlatos ao racismo.

Com informações da repórter Sara Oliveira

Redação O POVO Online