PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Pela primeira vez, tradicionais tapetes de Corpus Christi são montados fora de igreja

Além dos tapetes no interior do templo, paróquia inova ao produzir as artes do lado de fora com a ajuda de fiéis

12:47 | 20/06/2019
Mudas de plantas, tampinhas plásticas e copos descartáveis estão entre os materiais utilizados para montar os tapetes.
Mudas de plantas, tampinhas plásticas e copos descartáveis estão entre os materiais utilizados para montar os tapetes. (Foto: Nut Pereira)

Os tradicionais tapetes que celebram a comemoração litúrgica de Corpus Christi na Paróquia de Cristo Rei, na Aldeota, ganharam as ruas. Pela primeira vez,  nesta quinta-feira, 20, pela manhã, comunidade e pastorais montaram os desenhos do lado de fora do templo, na praça em frente.

Além da tradicional areia colorida, tampinhas de garrafa, copos descartáveis, lascas de madeira e mudas de plantas ajudaram a compor os painéis com mensagens bíblicas e em alusão à fé católica.

Moradores do entorno e membros de pastorais se mobilizaram para confecção dos tapetes.
Moradores do entorno e membros de pastorais se mobilizaram para confecção dos tapetes. (Foto: Nut Pereira)

“A ideia é ampliar a dimensão do olhar da Igreja, preparar o coração, ruas e praças para que o Senhor possa passar, pois a arte nos aproxima de Deus”, explica o padre Laércio Lima, pároco da igreja de Cristo Rei.

A paróquia monta os tapetes em alusão à data, com a ajuda de fiéis, há dez anos. O religioso esclarece que o uso de materiais recicláveis, desta vez, busca gerar nos fiéis uma reflexão acerca da sustentabilidade e do Sínodo da Amazônia, encontro que reunirá bispos no Vaticano em outubro.

O empresário Roberto Marinho foi um dos que chegou cedo para ajudar na montagem dos tapetes. Mesmo morando na Maraponga, bairro distante da igreja de Cristo Rei, ele chegou ao local às 6 horas para iniciar os trabalhos.

À frente da Pastoral de Casais da igreja de Cristo Rei, Roberto afirma que a ação ajuda a agregar os membros da paróquia. “Eu venho pra cá muito satisfeito. Foi uma comunidade que abraçou a mim e à minha esposa. É um momento de integração em que conhecemos pessoas de outras pastorais”.

De passagem por Fortaleza, a religiosa Vera Lúcia de Andrade montou, pela primeira vez, um dos tapetes com a ajuda de outras irmãs da Congregação das Filhas de Santa Teresa de Jesus.

Ela avalia que o esforço conjunto é um ato de amor e de aplicação dos valores cristãos. “É um grande gesto de solidariedade e partilha. É o mandamento de Jesus de partir e repartir o pão na prática”, reflete.

Sobre a tradição

A confecção de tapetes no dia de Corpus Christi é uma tradição católica de origem portuguesa e difundida no Brasil durante o período da colonização. De acordo com o padre Laércio Lima, a prática teve início em Ouro Preto e só depois se difundiu para todo o País.

Nut Pereira