PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Ônibus circulam normalmente em diversas partes da Capital; Centro tem trânsito complicado

Sindiônibus diz que equipes trabalham nas ruas para garantir a circulação dos coletivos

12:02 | 14/06/2019
Ônibus esperam reparo estacionados em uma das faixas da Avenida da Universidade
Ônibus esperam reparo estacionados em uma das faixas da Avenida da Universidade(Foto: Lia Bruno/Especial para O POVO)

Os ônibus de Fortaleza circulam regularmente em diversos bairros na manhã desta sexta-feira, 14, apesar dos protestos contra a reforma da Previdência e cortes no orçamento da educação que ocorrem na Capital. Na Avenida da Universidade, onde manifestantes furaram pneus de pelo menos 20 coletivos no começo da manhã, o trânsito volta a fluir normalmente. Já no Centro, a concentração de manifestantes compromete o fluxo de veículos.

O POVO Online circulou pelas avenidas Pontes Vieira, 13 de Maio, Bezerra de Menezes, Antônio Sales e observou trânsito de ônibus normal. Na avenida Duque de Caxias e Domingos Olímpio, por causa da proximidade com o local de concentração do protesto, na Praça da Bandeira, foi registrado engarrafamento. Para chegar à manifestação, algumas pessoas precisaram recorrer aos aplicativos de transporte e relataram aumento no preço das corridas.

Em nota oficial, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Ceará (Sindiônibus) afirmou que o transporte coletivo está funcionando. Apesar de “problemas pontuais”, as equipes das empresas trabalham nas ruas para garantir a circulação.

Confira a nota na íntegra

O Sindiônibus e as empresas de transporte coletivo de Fortaleza e Região Metropolitana estão todas operando, assim como todos os sete terminais estão funcionando. As equipes de profissionais das empresas e do Sindiônibus, cientes do seus papéis, colocaram os ônibus em operação nas ruas da cidade.

Asseguramos que alguns problemas pontuais estão sendo tratados pelas equipes do Sindiônibus que estão nas ruas para garantir a oferta do transporte aos cidadãos de Fortaleza.

Com informações de Lia Bruno/Especial para O POVO

Redação O POVO Online