PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Procissão do Fogaréu recupera tradição do início da Semana Santa

Fiéis da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário se reúnem nas ruas do bairro José Bonifácio para professar a fé e lembrar da perseguição e prisão de Jesus Cristo. É o início da Semana Santa

23:03 | 17/04/2019
Procissão do Fogaréu 2019, Irmandade de Nossa Senhora do Rosário
Procissão do Fogaréu 2019, Irmandade de Nossa Senhora do Rosário(Foto: TATIANA FORTES/O POVO)

Recuperação da tradição católica, a Procissão do Fogaréu foi realizada na noite desta Quarta-Feira de Trevas, 17, em Fortaleza. Desde o reinício desta celebração de fé, há oito anos, fiéis da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário se reúnem nas ruas do bairro José Bonifácio para professar a fé e lembrar da perseguição e prisão de Jesus Cristo. É o início da Semana Santa. 

Procissão do Fogaréu 2019, Irmandade de Nossa Senhora do Rosário
Procissão do Fogaréu 2019, Irmandade de Nossa Senhora do Rosário (Foto: TATIANA FORTES/O POVO)

"Desde pequenininho, em Pacatuba, sou da igreja. Então, participo de todos os movimentos da Semana Santa, da Procissão do Fogaréu à Paixão de Cristo", exemplifica o fiel Thalis Machado, que participou do evento nesta quarta. Junto dele, 20 personagens encapuzados e trajando túnicas (farricocos, soldados romanos) acompanhados por 20 percussionistas.

Manifestação da cultura tradicional popular, a procissão tem rito secular. Farricocos encontram o local que representa a mesa da “Última Ceia”, já dispersa. Em seguida avança para a segunda e última parada, quando os tambores silenciam e um toque de clarim anuncia a prisão de Cristo. Após a captura simbólica, o clarim executa o toque de silêncio e as tochas, apagadas.

Procissão do Fogaréu 2019, Irmandade de Nossa Senhora do Rosário
Procissão do Fogaréu 2019, Irmandade de Nossa Senhora do Rosário (Foto: TATIANA FORTES/O POVO)

Rodrigo Damasceno, curador da Irmandade do Rosário, explica que o formato acontece também em cidades da Bahia e Goiás. O evento tem apoio da Secretaria da Cultura do Estado. "A prisão de Cristo se deu da Quarta-Feira de Trevas para a Quinta-Feira Santa. Isso estava esquecido. Na realidade, o início da procissão deveria ser à meia-noite, mas, por questão de segurança, começamos às 20 horas, todo ano", completa.

Reunião

A Irmandade de Nossa Senhora do Rosário era, originalmente, formada por escravos, ainda na primeira metade do século XVIII. Com o retorno da Irmandade, em 2009, foi recuperada a devoção à Nossa Senhora da Boa Morte e São Jorge Guerreiro e santos negros, sincréticos, como Santo Elesbão, Santo Antônio de Categeró, Santa Bakhita e Santa Efigênia.

Lucas Braga