PUBLICIDADE
Notícias
ciência

Pesquisa identifica 131 espécies de peixes em parque marinho de Fortaleza

A unidade de conservação onde as espécies foram identificadas ficam a aproximadamente 18 quilômetros do Porto do Mucuripe

18:18 | 04/02/2019
Pesquisa identificou 131 espécies de peixes em parque de conservação de Fortaleza (Foto: divulgação/Eduardo Freitas)
Pesquisa identificou 131 espécies de peixes em parque de conservação de Fortaleza (Foto: divulgação/Eduardo Freitas)

Pesquisa com foco em peixes registrou a ocorrência de 131 espécies no Parque Estadual Marinho da Pedra da Risca do Meio. A unidade de conservação fica a aproximadamente 18 quilômetros do Porto do Mucuripe, em Fortaleza. As informações são do portal de notícias da Universidade Federal do Ceará (UFC).

A profundidade da área varia entre 17 e 30 metros. Das espécies encontradas, seis são endêmicas, portanto, ocorrem apenas no Brasil. Outras 13 estão presentes em listas nacionais e internacionais de peixes ameaçados.

Um dos autores da pesquisa, Eduardo Freitas explicou que as 112 espécies restantes são igualmente fundamentais para o funcionamento do ecossistema. Ele é pesquisador do Laboratório de Evolução e Conservação de Vertebrados Marinhos do Departamento de Biologia.

O levantamento foi resultado de uma parceria entre o Instituto de Ciências do Mar (Labomar), a Universidade de São Paulo (USP) e as universidades federais do Ceará e Pernambuco. O estudo contou com participação de Maria Elisabeth de Araújo, da UFPE, e Tito Monteiro da Cruz Lotufo, da USP.

A pesquisa indicou que, em diferentes locais do parque, a fauna dos peixes sofre alterações. Esse mapeamento pode ajudar na administração e conservação da área.

Embora tenha identificada uma variedade de peixes, isso não garante a sobrevivência deles em médio ou longo prazo. Dependendo do ciclo de vida, estas espécies podem necessitar de um espaço de habitação que esteja fora da unidade de conservação.

Como uma das estratégias para esse impasse, Eduardo Freitas apontou que podem ser utilizadas as redes de unidades de conservação, que têm intuito de proteger "diferentes ambientes conectados biologicamente".

Redação O POVO Online com informações do portal da UFC