PUBLICIDADE
Notícias

Entre boatos e ameaças, comerciantes tentam retornar à normalidade nesta quarta

Na véspera, comércios fecharam mesmo sem receberem ameaças, em efeito-cascata

11:55 | 09/01/2019
NULL
NULL
[FOTO1]Donos de estabelecimentos comerciais têm encerrado o expediente mais cedo mesmo sem ordem para fechar ou até mesmo deixar de abrir o empreendimento. No entanto, a realidade não é a mesma para quem é obrigado a finalizar o trabalho antes da hora. De acordo com relatos ouvidos pelo O POVO, na avenida Leste Oeste, comerciantes baixaram as portas na terça-feira, 8, mais por medo do que realmente por ameaças. Apesar disso, algumas pessoas relataram que souberam de outros empreendedores foram ameaçados. 
 
Os boatos espalhados nas ruas e bairros de Fortaleza têm mudado a rotina do comércio local. No entanto, a situação parece voltar à normalidade.

Dono de duas unidades comerciais na avenida Leste Oeste, José Airton afirmou ao O POVO Online que, na terça, encerrou as atividades mais cedo por "medo de ficar sozinho". O microempresário ressalta, no entanto, que não foi ameaçado, mas ouviu boatos pelo bairro e, para ele, a melhor opção foi fechar os estabelecimentos. Hoje, a expectativa de Airton é abrir normalmente. Prejuízos pelo tempo fechado ainda são calculados. 

Assim como José Airton, Natália Veronese também fechou ontem por medo de ficar sozinha, não por ameaças. Um dos vizinhos de Natália, um empreendedor do ramo das cerâmicas, que prefere não ser identificado, abriu a loja ontem pela manhã, mas o ato não se repetiu durante a tarde. 
 

Atualizada às 16h7min. 
Com informações da repórter Alexia Vieira
TAGS