PUBLICIDADE
Notícias
Segurança Pública

"Nós vamos garantir tranquilidade a médio e longo prazo", diz Camilo Santana

Governador afirmou que os ataques persistem devido às medidas tomadas pelo Governo para tentar reorganizar o sistema penitenciário do Estado

12:49 | 25/01/2019
 (Foto: Fábio Lima/O POVO)
(Foto: Fábio Lima/O POVO)

As estratégias adotadas para combater o crime organizado no Ceará devem garantir a tranquilidade a médio e longo prazo no Estado. A prospecção é do governador Camilo Santana (PT) e foi feita durante a manhã desta sexta-feira, 25. O petista ainda destacou o trabalho em conjunto realizado pelas forças de segurança e instituições parceiras nos últimos 24 dias da mais longa crise de Segurança Pública em território cearense.

Camilo reafirmou que os ataques persistem em respostas às ações tomadas na reorganização do sistema prisional cearense. “Minha determinação é tratar criminoso como criminoso. O que estamos fazendo é cumprindo a Lei de Execução Penal dentro do sistema. Nós tivemos a coragem e determinação de tomar essas decisões porque sabemos a repercussão que isso vai ter a médio e longo prazo dentro do Estado. Nós vamos garantir tranquilidade a médio e longo prazo”, garantiu.

De acordo com o governador, a cada 12 horas é feita uma avaliação sobre a situação no Estado. O balanço é elaborado em um gabinete de crise, onde estão integradas as cúpulas das secretarias da Segurança Pública e Defesa Social e Administração Penitenciária; as polícias Civil, Militar, Federal e Rodoviária Federal; a Controladoria Geral de Disciplina; o Ministério Público, o Tribunal de Justiça e a Agência Brasileira de Inteligência.

O trabalho dos órgãos e instituições cearenses resultou, até a manhã desta sexta, na detenção de 430 pessoas por envolvimento nos ataques orquestrados por facções criminosas desde 2 de janeiro. Dentro do sistema prisional já foram retirados 2,3 mil celulares, televisores, ventiladores, comida, após pente-fino autorizado pelo secretário de administração penitenciária, Mauro Albuquerque.

Redação O POVO Online