PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Prefeito diz que uso exclusivo de cartão em coletivos é experimental

Profissionais realizam paralisações há dois meses cobrando esclarecimentos sobre a medida

20:09 | 27/12/2018
NULL (Foto: )
NULL (Foto: )
Em meio a impasse acerca do futuro da profissão de trocador em Fortaleza, o prefeito Roberto Cláudio (PDT) disse que não há decisão do Município de retirar os profissionais dos coletivos. Segundo ele, há um experimento em andamento – proposto pelo Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus) e aprovado pela Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) – para mapear a reação da população à mudança em algumas linhas. 
 
[FOTO1] 
 
O pedetista, contudo, não descarta, caso a experiência seja exitosa, retirar no futuro os trocadores. “Pode existir em algum momento (a substituição)? Sim, desde que se mostre eficiente, cômoda e traga benefício para o preço da tarifa. Aí podemos pensar no assunto”, disse em entrevista à rádio O POVO CBN nesta quinta-feira, 27.

Protestos

Em 29 de outubro, o Município implementou a mudança em algumas linhas. Desde então, protestos se tornaram constantes na Capital. As paralisações são organizadas pelo Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do Ceará (Sintro) e exigem posicionamento da Prefeitura garantindo o emprego dos cobradores. O Ministério Público do Ceará chegou a notificar na última semana, em 22/12, a Etufor e o Sindiônibus sobre a mudança. 
 

O prefeito se defendeu e garantiu que em nenhuma linha os cobradores foram substituídos integralmente pelo cartão eletrônico. Segundo ele, o que existe é uma alternância em algumas linhas entre ônibus com e sem os profissionais. “E para isso foram escolhidas linhas em que o uso do cartão digital já é de cerca de 75%”, comentou. 

Para o prefeito, as reações da categoria estão relacionadas a uma disputa entre os dois sindicatos. “Por parte da Prefeitura, qualquer decisão futura passa por garantia da proteção e defesa do trabalhador. Não podemos tomar uma decisão que afeta 3.600 da noite para o dia”, ressaltou. 
TAGS