PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Juiz federal autoriza Patrícia Bezerra a retornar às atividades como delegada

Após habeas corpus, obtido em julho, a delegada permaneceu lotada na assessoria jurídica da delegacia geral. Agora, poderá voltar à atividade-fim. Ela foi presa em julho em operação da Polícia Federal

16:20 | 16/10/2018
A delegada ex-titular da Divisão de Combate ao Tráfico de Drogas (DCTD) Patrícia Bezerra, que teve prisão decretada no dia 27 de julho durante a Operação Vereda, obteve autorização do juiz federal Danilo Dias para retornar às atividades profissionais. A decisão foi em audiência na última segunda-feira, 15. A obtenção de habeas corpus ocorreu na noite do dia 27 de julho, pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5).
 
Conforme o advogado de defesa, Leandro Vasques, após o habeas corpus, a delegada permaneceu lotada na assessoria jurídica da delegacia geral. Na audiência desta segunda, testemunhas foram ouvidas e o advogado solicitou o retorno de Patrícia Bezerra às atividades como delegada. Foi obtida, então, “a revogação da cautelar de afastamento de Patrícia Bezerra (que estava em funções burocráticas). Agora a delegada pôde ser devolvida à atividade-fim, com devolução da arma e distintivo”.
 
[SAIBAMAIS]A nova lotação de Patrícia deve ser definida pelos delegado geral Everardo Lima e o secretário da Segurança Pública e Defesa Social André Costa. Segundo Leandro Vasques, a decisão do juiz responsável pelo caso é “acertada e corrige parcialmente uma injustiça que será plenamente alcançada com sua futura absolvição, uma vez que nada fez que justificasse seu envolvimento nessa ação penal”.
 
Entenda o caso
 
A prisão da delegada foi resultado da segunda fase da Operação Vereda e aconteceu na manhã do dia 27 de julho, deflagrada pela Polícia Federal, cujo objetivo era investigar organizações criminosas formadas por policiais civis lotados na DCTD. A suspeita era da prática de crimes de extorsão contra um homem investigado por comercialização ilegal de anabolizantes, vindos da Europa.
 
Na medida de suas participações, os policiais foram indiciados e denunciados, por extorsão, roubo, receptação, tortura, organização criminosa, embaraço à investigação de organização criminosa, tráfico de drogas, abuso de autoridade, usurpação da função pública, favorecimento pessoal e violação de domicílio.
 
A operação recebeu o nome de Vereda devido ao “livre arbítrio que levou os integrantes da quadrilha, à sombra da condição policial, para a prática delitiva de crimes diversos”.
TAGS