PUBLICIDADE
Fortaleza
FRAUDES

Dupla suspeita de aplicar meio milhão em golpes bancários contra idosas é presa

O esquema incluiria central telefônica para desviar ligações de vítimas, que desconfiadas da fraude, ligavam para verificar

15:49 | 22/10/2018
Atualizada às 17h10min
 
Documentos, cartões de crédito e celulares também foram apreendidos (Foto: Jullie Vieira/ Especial Para O Povo)
Duas pessoas foram presas acusadas de aplicar R$ 500 mil em golpes em Fortaleza. Os possíveis estelionatários dispunham até de central telefônica, usada para desviar ligações de vítimas, geralmente idosas de alto poder aquisitivo, que ligavam para o atendimento bancário ao desconfiar da fraude. Com a dupla, foram apreendidos cheques, cartões bancários e documentos falsos.
  
De acordo com o delegado titular do 2º Distrito Policial, Carlos Teixeira Teófilo, em coletiva de imprensa nesta segunda-feira, 22, os suspeitos ligavam para a vítima como se fossem funcionários de banco. Na ligação, informavam que a pessoa teria feito uma compra de alto valor. A vítima, então, não reconhecia a compra, levantando a suspeita de que o cartão de crédito teria sido clonado. “Com isso, o golpista orientava a pessoa a escrever uma carta autorizando a investigação do caso para entregá-la num envelope junto ao cartão, que deveria estar cortado”, detalha. Um dos suspeitos recebia o envelope na casa da pessoa. 
  
“O suspeito dizia, ainda, que a vítima deveria ligar para o número do SAC impresso no cartão. A ligação era direcionada para central telefônica dos envolvidos, o que deixava a vítima mais segura”, acrescenta. Até o momento, quatro vítimas prestaram boletim de ocorrência.
  
A dupla foi identificada através de gravações do circuito interno de vítimas. Após três dias de investigação, Walter de Oliveira (nome falso) e Romário Lima Souza foram detidos na última sexta-feira, 20. Uma terceira pessoa é procurada pela polícia. Ela é suspeita de ser a integrante que fazia o papel de “SAC”, recebendo as ligações das vítimas. 
  
Os dois foram indiciados por lavagem de dinheiro, estelionatos e associação criminosa. Walter, que não teve o nome verdadeiro revelado pela polícia, também foi autuado por falsificação de documento. 
  
A polícia informa que banco não manda funcionários em casa para receber cartões de créditos em transações como essa. 



Com informações da repórter Jullie Vieira
Redação O POVO Online