PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Vigilante que matou jovem na 13 de Maio é ex-PM expulso da corporação

Processo de crime militar foi arquivado no TJCE

13:41 | 14/08/2018

Atualizada às 14h16min

 

Tiago Rodrigo Ferreira Nunes, de 33, que foi indiciado pelo homicídio de Lucas Gomes, é ex-policial militar. Na consulta do nome dele aparecem processos na Controladoria Geral de Disciplina (CGD). No Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJCE), que constam processos de crime militar. 


Na Controladoria Geral de Disciplina (CGD) um dos processos relacionados ao Tiago é por transitar em automóvel de placa clonada e por portar arma de de forma irregular, emCaucaia, Região Metropolitana de Fortaleza. Na época, a defesa alegou que o policial havia comprado a arma de outro militar e que não houve a devida transferência. Outra publicação da CGD é referente a caso de desobediência a determinação para trabalhar em uma guarita. A ordem não teria sido acatada pelo, então, policial militar.
[SAIBAMAIS]
O Processo no Tribunal da Justiça do Estado do Ceará (TJCE) de crime militar consta como arquivado. E há outro processo de reintegração que estava pendente para julgamento. A causa da expulsão de Tiago não é informada. No entanto, os processos encontrados relacionados a ele foram esses.

 

 

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) havia informado, por meio de nota, que ele possuia um antecedente criminal por porte de arma de fogo. No entanto, não havia informado o crime militar. Indagado sobre a situação de afastado da Polícia Militar, o órgão informou que esse tipo de questão deve ser repassada para a Polícia Militar do Estado do Ceará.

 

O POVO Online enviou nota a PMCE na noite desta segunda-feira, 13, para obter informações sobre o motivo da expulsão de Tiago e obteve a resposta por meio de uma nota. 

 

Confira a nota na integra 

 

"O ex-policial militar encontra-se fora dos quadros da Corporação desde de 04 de julho de 2014, por fato ocorrido em 06 de dezembro de 2013, na Caucaia/Ce, por porte ilegal de armas de fogo, registradas em nome de terceiros e por conduzir um veículo, gravado em ocorrência de roubo, sendo em virtude disso autuado em flagrante delito por infração aos arts. 180 e 311 do Código Penal, e arts. 14 e 16 da Lei 10.826/2003 - Estatuto do Desarmamento."

 


Ainda nos documentos que constam na pesquisa realizada pelo O POVO Online, Tiago foi aprovado no concurso de agente penitenciário. No entanto, ele não teria ingressado como aluno do curso de formação. O POVO Online solicitou informações à Secretaria da Justiça e Cidadania (Sejus) e aguarda resposta da demanda para a terça-feira, 14.

O advogado de Tiago, Wladimir D'Alva, não soube explicar o motivo da expulsão do cliente e informou que atua somente no caso relacionado ao inquérito policial do crime ocorrido na avenida Treze de Maio, no dia 10.  

 

Redação O POVO Online

TAGS