PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Parente de PM desabafa em enterro: "Quantas vezes ele deixou a família para cuidar da segurança"

Clima de consternação se misturou ao medo; parentes preferiram não se identificar à imprensa

21:33 | 24/08/2018
NULL
NULL(Foto: )
[FOTO1]Após o ataque a tiros que vitimou três policiais no bairro Vila Manoel Sátiro, nessa quinta-feira, 23, foram realizados os velórios e sepultamentos das vítimas nesta sexta. Familiares, amigos e colegas policiais acompanharam com consternação e medo o momento de despedida.

O POVO Online acompanhou o enterro do 2º tenente da PM, Antonio Cezar Oliveira Gomes, de 50 anos. Familiares com medo de represálias preferiram não serem identificados, mas relataram que Cezar era dedicado à profissão durante o período que esteve na ativa.

"Quantas vezes ele deixou de ficar com a família para estar treinando e cuidando da segurança, e ter a vida subtraída dessa forma covarde", disse um primo durante discurso antes do sepultamento.
[SAIBAMAIS]
Outro parente próximo contou à reportagem que desde que havia entrado para a reserva remunerada, o 2º tenente tinha deixado de usar arma e que havia saído para deixar um dos sete filhos na creche quando foi convidado pelos dois amigos policiais "para tomar uma cerveja".

O parente completa fazendo um desabafo em que descreve o atual momento vivido pelos profissionais de segurança no Estado. "Antigamente, a caça era o bandido que o policial ia atrás. Agora, a caça é o policial que o bandido vai atrás. É uma constatação impressionante", completa.

O primo, durante o discurso à beira do caixão, também fez cobranças no mesmo sentido. "Eu fico triste porque jovens como esses são traídos por um País que não respeita mais a dignidade do outro".

"Uma elite podre que fica de camarote assistindo jovens como esse, valentes, tendo suas vidas subtraídas. O que a gente está assistindo hoje no nosso País é a desesperança, principalmente de jovens (...) que estão perdendo o orgulho de ser brasileiro", completou.
  

SAMUEL PIMENTEL

TAGS