Entidades protestam contra MP que trata da privatização do saneamentoNotícias de Fortaleza
PUBLICIDADE
Notícias


Entidades protestam contra MP que trata da privatização do saneamento

Segundo os críticos, medida provisória abre caminho para deixar municípios menores e mais pobres sem serviço de água e esgoto

20:00 | 31/07/2018
NULL
NULL
[FOTO1]Entidades do setor de saneamento promoveram evento nesta terça-feira, 31, em Fortaleza, com objetivo de apontar o que consideram malefícios trazidos pela medida provisória (MP) 844, conhecida como MP do Saneamento. Em todo o País, mobilizações como essa foram realizadas como parte do Dia Nacional contra a MP do Saneamento. Para os críticos, as modificações propostas no Marco Legal do Saneamento prejudicam a população e ameaça a prestação do serviço nas áreas mais pobres.

O evento foi promovido pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes), em parceria com Associação Brasileira de Agências de Regulação (Abar), Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento (Aesbe) e Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento (Assemae), na sede da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece). As entidades apontaram aumento de tarifas com água e esgoto e a desassistência de populações mais pobres como impactos da medida provisória que estimula a privatização do serviço.

[SAIBAMAIS]A MP 844 foi editada neste ano, durante a Copa do Mundo. As entidades apontam que não houve discussão o suficiente para que a medida entrasse em vigor. Um dos pontos mais criticados é o fim do subsídio cruzado. No modelo atual, cidades maiores como Fortaleza pagam um pouco mais, para arcar com com os custos do serviço em cidades menores. A infraestrutura de saneamento básico acaba saindo muito cara para ser dividida por municípios com pequeno número de habitantes.

O que muda com a MP 844 é que, se houver empresas interessadas, os municípios serão obrigados a realizar licitação para água e esgoto. Atualmente, se a empresa contratada for estatal, a contratação pode ocorrer com dispensa de licitação. O problema é que, nos grandes municípios, certamente haverá interessados. Nos pequenos municípios, com poucos consumidores para pagar a conta e gastos elevados para levar a água e o esgoto até locais distantes, dificilmente haverá investidores privados interessados. Então, provavelmente caberá ao Estado arcar com a prestação desse serviço, sem ter a contrapartida dos grandes centros pra ajudar a custear.
 
 
Conforme os críticos, a MP permite separar o "filé" do "osso". O primeiro tende a ser disputado pela iniciativa privada. O segundo provavelmente ficará com o Estado. "Os municípios que dão lucro para a Cagece serão entregues à iniciativa privada e o governo vai ficar com a 'carne de pescoço'", afirma o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Água Esgoto e Meio Ambiente do Ceará (Sindiágua), Jadson Sarto. Ele afirma que a medida aumentará as tarifas para além do que muitos possam pagar.
 
O presidente da Abes Ceará, Humberto de Carvalho, aponta que quem mais sofrerá com a medida serão as populações mais pobres. "Esse é um modelo que desrespeita o princípio básico do saneamento, que é a universalidade", critica. "O Governo Federal deveria estar preocupado em deixar as tarifas mais baixas para a população mais pobre", opina. 

O presidente da Abar, Fernando Franco, defende que mudanças devem ser feitas no Marco Legal do Saneamento, mas não da forma que estão sendo propostas. “Não vai ser a partir dessa MP que vamos atingir o mundo que a gente almeja”. Ele afirma que as tarifas devem ser maiores para os que tem condições de pagar e que o sistema atual de saneamento precisa de revisões mais aprofundadas, não permitidas devido à forma como a MP 844 foi criada.

“Se você não tiver água tratada, o que vai acontecer com a saúde pública dessa população?”, se preocupa Humberto de Carvalho. “O País não é preparado para funcionar uma privatização do sistema de saneamento básico, nós temos periferias, nós temos pobrezas. É um tiro no pé em relação ao Brasil”.
TAGS