PUBLICIDADE
Notícias

Justiça do Ceará realiza mutirão de audiências envolvendo a construtora MRV

Serão feitas 108 sessões durante toda a semana. As ações mais comuns são revisionais, de reparação de danos e obrigação de fazer

09:51 | 12/06/2018
NULL
NULL
[FOTO1]Processos que envolvem a construtora MRV serão discutidos de forma concentrada durante esta semana no Fórum Clóvis Beviláqua. O mutirão, realizado pelo Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) de Fortaleza, tem objetivo de proporcionar a oportunidade de solução consensual entre as partes, segundo a juíza coordenadora do Cejusc, Jovina d’Ávila Bordoni. 

Foram agendadas 108 audiências de segunda a sexta-feira, entre 9 horas e 11h30min e de 14 horas às 16h30min. As ações mais comuns incluídas na pauta são revisionais, de reparação de danos e obrigação de fazer. Os processos tramitam em Varas Cíveis da Capital (10ª, 11ª, 15ª, 17ª, 19ª, 22ª, 23ª, 26ª, 29ª, 31ª, 33ª, 34ª, 36ª, 37ª, 38ª e 39ª Varas). 

O engenheiro de telecomunicações Márcio Fernandes Vidal conseguiu, com a oportunidade, solucionar um processo que havia sido aberto contra a construtora em 2015 de forma consensual. “A vantagem do mutirão é porque pudemos sentar frente a frente e conversar com os representantes diretos da outra parte. Com a ajuda do conciliador, tivemos uma conversa bastante direta, conclusiva, e chegamos a um resultado bem satisfatório”, disse.
 
Redação O POVO Online 
TAGS
Justiça do Ceará realiza mutirão de audiências envolvendo a construtora MRVNotícias de Fortaleza
PUBLICIDADE
Notícias

Justiça do Ceará realiza mutirão de audiências envolvendo a construtora MRV

Serão feitas 108 sessões durante toda a semana. As ações mais comuns são revisionais, de reparação de danos e obrigação de fazer

09:51 | 12/06/2018
NULL
NULL
[FOTO1]Processos que envolvem a construtora MRV serão discutidos de forma concentrada durante esta semana no Fórum Clóvis Beviláqua. O mutirão, realizado pelo Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) de Fortaleza, tem objetivo de proporcionar a oportunidade de solução consensual entre as partes, segundo a juíza coordenadora do Cejusc, Jovina d’Ávila Bordoni. 

Foram agendadas 108 audiências de segunda a sexta-feira, entre 9 horas e 11h30min e de 14 horas às 16h30min. As ações mais comuns incluídas na pauta são revisionais, de reparação de danos e obrigação de fazer. Os processos tramitam em Varas Cíveis da Capital (10ª, 11ª, 15ª, 17ª, 19ª, 22ª, 23ª, 26ª, 29ª, 31ª, 33ª, 34ª, 36ª, 37ª, 38ª e 39ª Varas). 

O engenheiro de telecomunicações Márcio Fernandes Vidal conseguiu, com a oportunidade, solucionar um processo que havia sido aberto contra a construtora em 2015 de forma consensual. “A vantagem do mutirão é porque pudemos sentar frente a frente e conversar com os representantes diretos da outra parte. Com a ajuda do conciliador, tivemos uma conversa bastante direta, conclusiva, e chegamos a um resultado bem satisfatório”, disse.
 
Redação O POVO Online 
TAGS
Justiça do Ceará realiza mutirão de audiências envolvendo a construtora MRVNotícias de Fortaleza
PUBLICIDADE
Notícias

Justiça do Ceará realiza mutirão de audiências envolvendo a construtora MRV

Serão feitas 108 sessões durante toda a semana. As ações mais comuns são revisionais, de reparação de danos e obrigação de fazer

09:51 | 12/06/2018
NULL
NULL
[FOTO1]Processos que envolvem a construtora MRV serão discutidos de forma concentrada durante esta semana no Fórum Clóvis Beviláqua. O mutirão, realizado pelo Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) de Fortaleza, tem objetivo de proporcionar a oportunidade de solução consensual entre as partes, segundo a juíza coordenadora do Cejusc, Jovina d’Ávila Bordoni. 

Foram agendadas 108 audiências de segunda a sexta-feira, entre 9 horas e 11h30min e de 14 horas às 16h30min. As ações mais comuns incluídas na pauta são revisionais, de reparação de danos e obrigação de fazer. Os processos tramitam em Varas Cíveis da Capital (10ª, 11ª, 15ª, 17ª, 19ª, 22ª, 23ª, 26ª, 29ª, 31ª, 33ª, 34ª, 36ª, 37ª, 38ª e 39ª Varas). 

O engenheiro de telecomunicações Márcio Fernandes Vidal conseguiu, com a oportunidade, solucionar um processo que havia sido aberto contra a construtora em 2015 de forma consensual. “A vantagem do mutirão é porque pudemos sentar frente a frente e conversar com os representantes diretos da outra parte. Com a ajuda do conciliador, tivemos uma conversa bastante direta, conclusiva, e chegamos a um resultado bem satisfatório”, disse.
 
Redação O POVO Online 
TAGS