PUBLICIDADE
Notícias

Movimento denuncia poda irregular no Parque Rio Branco; Prefeitura nega

Segundo o Movimento Proparque, a poda desrespeita a área considerada de preservação ambiental. O superintendente da UrbFor afirma que a atividade faz parte de ações fundamentadas e orientadas por equipes capacitadas

23:31 | 08/05/2018
NULL
NULL
[FOTO1] 
O Movimento Proparque denunciou na última sexta-feira, 4, a poda irregular de árvores no Parque Rio Branco, localizado na avenida Pontes Vieira, em Fortaleza. A Autarquia de Paisagismo e Urbanismo de Fortaleza (UrbFor) nega e afirma ter feito apenas uma manutenção da preservação do local.
 
Segundo Ademir Costa, jornalista e afiliado da organização, o fato do parque ser uma Zona de Preservação Ambiental (ZPA) é devido a proteção dos três riachos do local. De acordo com ele, o corte dos galhos proporciona uma maior evaporação da água e, consequentemente, a seca dos rios. 
[SAIBAMAIS]
Segundo a organização, a Prefeitura de Fortaleza teria informado que a poda tem como um dos objetivos a facilitação da iluminação da região, mas, para o Movimento Proparque, a justificativa não é suficiente, já que a Prefeituria teria se comprometido, em 2010, a colocar luminárias mais baixas para que assim não seja necessário o corte dos galhos.

O Proparque ainda afirma que, durante visita ao local, não havia técnico de nível superior supervisionando o trabalho e orientando a equipe de trabalhadores braçais. O excesso de lixo nos três riachos que cortam o parque e o acúmulo de entulhos de construção nos arredores também é ressaltado na denúncia. 

De acordo com o superintendente da UrbFor, Regis Tavares, a poda realizada na última semana faz parte de ações fundamentadas e orientadas por equipes de engenheiros agrônomos e biólogos. Ele ainda ressalta que tudo é feito para manutenção da preservação do local. Segundo o superintendente, há tempos vem se tentando um diálogo com os membros do Proparque, mas sem sucesso. 

Sobre a limpeza dos riachos, Tavares afirma que a manutenção dos rios é feita com um número reduzido de servidores, mas que a Urbfor sempre busca manter a limpeza das águas. Regis também explica que todo lixo que é gerado na parte interna do parque é de responsabilidade do UrbFor. Entretanto, o lixo externo, ou seja, aquele que é despejado pela população nos arredores do parque, é de total responsabilidade da Prefeitura de Fortaleza, a quem o superintendente afirma estar sempre em diálogo para o controle do problema.
TAGS