PUBLICIDADE
Fortaleza
Velório

Amigos e familiares se despedem da estilista assassinada na Parangaba

Principal linha de investigação indica que Nayana Mara Costa Araújo foi vítima de latrocínio

17:43 | 15/05/2018
Velório ocorreu na Parangaba (Foto: Evilazio Bezerra/O POVO)
 
Amigos e familiares da estilista Nayana Mara Costa Araújo, de 32 anos, foram ao velório da jovem na manhã desta terça-feira, 15. Ela foi assassinada na tarde de segunda-feira, 14, na rua Roquete Pinto, no bairro Parangaba. A principal linha de investigação da polícia indica que houve tentativa de latrocínio. Contudo, após a vítima ser atingida pelos disparos, os criminosos fugiram sem levar seus pertences. 

Colegas de Nayana criticaram a violência da Capital. “O sentimento é indignação”, disseram alguns enquanto saíam do velório. No local, a maioria dos presentes era de jovens. “Ela era muito alegre”, comentaram amigos que acompanhavam a chegada do caixão. Além de trabalhar no setor de moda, ela ainda fazia tatuagens. Em redes sociais, fotos mostram que Nayana surfava e gostava de esportes de aventura. 
 
Crime 
A vítima havia estacionado o veículo em frente a uma loja de confecção, onde entrou no estabelecimento, e quando voltou para o veículo, foi abordada por dois homens em um automóvel cinza. A modelo foi atingida por um tiro no rosto e morreu no local.

O veículo que pode ter sido usado no crime foi abandonado e apreendido no estacionamento de um supermercado. Segundo a Polícia, o carro constava como roubado e tinha placas clonadas. O POVO Online apurou que o carro da vítima também foi capturado e encaminhado ao 5º Distrito Policial (Parangaba). 

O Secretário da Segurança do Ceará, André Costa, determinou, além das equipes envolvidas no caso, como a Divisão de Homicídios e delegacia da área, mais um grupo para ajudar nas investigações.

Coso a linha de investigação seja confirmada, a morte da estilista é o 16º latrocínio no Ceará desde ano, conforme levantamento do O POVO Online. Maioria dos assassinados em tentativa de roubo é de homens, em Fortaleza, por meio de arma de fogo. Desde janeiro de 2015, Estado registra total de 256 casos.

IGOR CAVALCANTE