PUBLICIDADE
Fortaleza
sistema prisional do ceará

Gestores são investigados por crimes que vão de facilitação de entrada de celulares a tortura

19:12 | 16/04/2018
Policiais durante cumprimento da operação da Sejus. (Foto: via WhatsApp)
Coordenadores, diretores e agentes do sistema prisional do Ceará afastados das funções públicas nesta segunda-feira, 16, são investigados por crimes que vão desde facilitação da entrada de aparelhos telefônicos nos presídios até tortura. Contra os suspeitos, o juiz de Itaitinga, Cristiano Silva Sibaldo de Assunção, também emitiu mandados de busca e apreensão nas residências e nos locais de trabalho dos envolvidos

A operação Masmorras Abertas foi deflagrada pelo Ministério Público do Ceará (MPCE), que manteve sigilo sobre a participação de cada um dos suspeitos no esquema. São apuradas denúncias de associação criminosa. Os investigadores apontam ainda o uso de dados falsos em sistemas de informação do sistema prisional, corrupção passiva, prevaricação, omissão no dever de vedar ao preso acesso a aparelho celular, condescendência criminosa, violação do sigilo profissional e tortura.
 
Os afastados e os presos

Foram afastados Celso Murilo Rebouças de Mendonça, coordenador adjunto da Coordenadoria do Sistema Penal (Cosipe), Paulo Ednardo Oliveira de Carvalho, coordenador de Patrimônio da Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus), Mauro César Ximenes Andrade, diretor adjunto da Casa de Privação Provisória de Liberdade I, Francisca Celiane de Almeida Celestino, diretora do Centro de Triagem e Observação Criminológica, e João Augusto de Oliveira Neto, agente penitenciário. 

Além de deixar o cargo, foram presos em flagrante por porte ilegal de arma Herlano Walquer Falcão Macieira, diretor da Casa de Privação Provisória de Liberdade II, e Edmar de Oliveira Santos, coordenador da Cosipe.

As investigações apuram ilegalidades administrativas desde maio de 2016, quando ocorreu uma das maiores crises do sistema prisional cearense, durante e após a greve dos agentes penitenciários do Estado. À época, 14 detentos morreram durante rebeliões. 

Sejus

Em nota, a Sejus informou que cumpriu a determinação judicial de afastamento dos sete agentes penitenciários do exercício de suas funções. “A Secretaria acompanha atentamente as investigações e é a principal interessada na completa elucidação dos fatos”, finaliza o texto.