PUBLICIDADE
Notícias

Estudante denuncia comportamento suspeito de fiscais e candidatos durante Enem

Além dos problemas enfrentados, outro fator que atrapalhou a estudante foi a falta de concentração que a situação lhe causou

19:18 | 07/11/2017
NULL
NULL

[FOTO1]A estudante de Ciências Sociais da Universidade Estadual do Ceará (Uece), Rafaela Carolinne, 26, que prestou a primeira etapa do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no Colégio Cônego, no bairro Messejana, relatou denunciou comportamento suspeito de fiscais e candidatos que faziam prova na sua mesma sala. Em uma postagem no Facebook, ela afirmou que, embora tenha tido todo o cuidado com documentos, horário e alimentação, presenciou uma série de comportamentos incompatíveis com o momento.

No texto, Rafaela, que desde 2008 tenta ingressar na Universidade Federal do Ceará (UFC) para cursar Pedagogia, afirma que antes da prova ter início flagrou uma fiscal utilizando um celular. Ao receber o caderno de questões, ela comunicou o fato ao outro fiscal. O uso do aparelho, no entanto, teria prosseguido durante a aplicação da prova. A universitária afirma que em pelo menos quatro momentos viu novamente a fiscal fazendo uso do aparelho, sem ser repreendida por seu colega.

Rafaela denuncia ainda que duas candidatas conversaram durante o concurso sem intervenção dos fiscais. Acrescente a isso, que nas duas vezes em que ela mesma pediu para ir ao banheiro fez o deslocamento sem ser acampanhada.

Em entrevista ao O POVO Online, Rafaela explica que se sente duas vezes prejudicada - pelas irregularidades e pela desconcentração que lhe causaram. Ela garante ainda que, ao fim da prova, procurou um terceiro fiscal, apontado como coordenador da área, e relatou tudo o que aconteceu. Ele teria assegurado que os fiscais envolvidos seriam afastados no próximo domingo, segundo dia de provas do Enem 2017.

Outro lado

A reportagem do O POVO Online entrou em contato com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), por meio de sua assessoria de comunicação. O intuito seria esclarecer quais procedimentos devem ser tomados pelos candidatos que se sentirem injustiçados com o comportamento tanto de fiscais quanto de outros candidatos.

A reportagem também pediu informações sobre a preparação de fiscais. Além de apurar se algum procedimento administrativo foi instaurado para apurar as denúncias feitas pela cearense.

Até o momento desta publicação, o Inep não deu retorno sob os argumentos de que estaria ocupado com outras demandas da imprensa. A reportagem não conseguiu identificar a fiscal alvo das acusações, tentou contato por meio do Facebook, mas também não obteve respostas.

 

Redação O POVO Online

TAGS