PUBLICIDADE
Notícias

Ato exige justiça às vítimas da Chacina de Messejana

A Chacina da Grande Messejana, também conhecida como Chacina do Curió, completa dois anos neste domingo, 12

13:34 | 11/11/2017
NULL
NULL

[FOTO1]

Familiares e amigos se reúnem em protesto e memória pelas 11 vítimas da Chacina da Grande Messejana na 5ª Marcha da Periferia. O ato acontece na tarde deste sábado, 11, às 15h, na avenida Beija Mar, em Fortaleza. A concentração será na estátua de Iracema. Amanhã, 12 de novembro, se completam dois anos da tragédia.

[SAIBAMAIS] 

Atividades como palestras, bate-papo, exposições, batalhas de hip hop, perfomances de danças e relatos das famílias das vítimas já estão acontecendo em diferentes bairros desde o dia 1º de novembro, em uma programação voltada para relembrar a população fortalezense da chacina, além de alertar sobre os constantes crimes que acontecem na cidade.

A 5º Marcha da Periferia tem o apoio da Assossiação das Mulheres em Movimento do Palmeiras; Assossiação Amorbase da Serrinha; Bonjaroots; Centro de Defesa da Criança e do Adolescente do Ceará (CEDECA); Centro de Defesa da Vida Herbert de Souza (CDVHS), dentre outras assossiações apoiadoras.

Para Edna Carla, mãe de Alef Souza Cavalcante, que aos 17 anos foi uma das vítimas da chacina, o Estado tem tratado o caso com negligência. 

"O objetivo da Marcha é por memória e justiça dos dois anos da maior chacina que já houve no Ceará, e para lembrar ao Estado o quanto ele tem sido negligente e cruel com as famílias e com as mães. Isso não pode ficar impune pois quem matou nossos filhos foram funcionários públicos, e somos nós quem pagamos o salário deles. Não vou me calar diante do que o Estado fez", disse Edna ao O POVO Online. 

"Esse crime não cairá no esquecimento porque nós, mães, não vamos deixar. Já estamos programando a marcha do ano que vem. Temos o apoio de vários grupos. Fortaleza inteira apoia a gente. Com a mãe que o Alef teve, essa chacina nunca, jamais, cairá no esquecimento", continuou Edna. "Estou à frente na organização da Marcha, juntamente com outras mães das vítimas. Escolhi a Beira Mar porque o meu filho amava isso aqui. Ele passava noites e noites andando na pista de skate. É uma memória", explica.

Chacina

Na madrugada do dia 12 de novembro de 2015, num intervalo de três horas e meia, 11 pessoas foram sumariamente assassinadas. Acrescente a isso outras sete que foram atingidas e conseguiram sobreviver ao atentado. Em sua maioria, adolescentes.

Ao todo, 45 Policiais Militares foram denunciados. Destes, 44 tiveram a denúncia aceita e prisão provisória decretada para instrução. Ao final da fase de instrução, 34 policiais irão para o julgamento do júri popular. Todos respondem em liberdade.

TAGS