PUBLICIDADE
Notícias

Retirada de árvores continua na Aguanambi para duplicação de via

O comerciante Carlos Gomes, 46 anos, proprietário do 'Bar Pé de Serra', que já tem 13 anos de história na avenida, lamentou a retirada das plantas

23:00 | 23/10/2017
NULL
NULL

[FOTO1] 

Continua na noite desta segunda-feira, 23, a retirada de árvores na extensão da avenida Aguanambi. Como a atividade da última quinta-feira, 19, em que foram retiradas outras plantas na Praça da Professora, no bairro José Bonifácio, a ação também faz parte do projeto de continuidade de duplicação da via, conforme informou ao O POVO Online um funcionário da empresa responsável pela retirada das plantas, que não quis se identificar.

A retirada dessas plantas causou tristeza ao comerciante Carlos Gomes, 46 anos, proprietário do ‘Bar Pé de Serra’, que já tem 13 anos de história na avenida Aguanambi. “Quando cheguei aqui na pracinha, não tinha nada. Só tinha capim, duas árvores centenárias e uma nativa que já tinha uns 40 anos. Sinto por todas, mas a que eu estou sentindo mais é uma mangueira que plantei ali. Neste ano, era o primeiro ano que ela ia dar fruto”, lamenta.

Ponto de encontro para os amantes de Raul Seixas, como contou, as árvores que serão cortadas eram partes integrantes do bar, localizado em uma pequena praça em uma curva no estreitamento da via. “Tenho muitas fotos. Ainda hoje fiz fotografias pra salvar no meu arquivo. Todos que frequentam o bar já foram beneficiados pelas sombras dessas plantas. O pessoal ficava na sombra, no almoço...”, relembra.

Para o comerciante, a retirada das plantas traz prejuízo à natureza, mas ele diz acreditar que a obra trará benefícios para o seu comércio. “Aqui vai ter ciclovia, vai passar mais pessoas aqui, vai estar aberto meu comércio, o povo vai ver, o cliente vai poder ver o meu comércio, com certeza, eu creio que vai melhorar”, disse.

O funcionário público Manoel Paes Neto, 53 anos, morador do bairro José Bonifácio e que estava assistindo a retirada das árvores, contou ser favorável à ação pelas melhorias que a duplicação da avenida Aguanambi pode oferecer aos arredores da região. “Sou contra não. Pelo benefício da população, eu não sou contra não. Fizeram uma ‘briga danada’ com o viaduto do Cocó na época. Uma obra que ia beneficiar todo mundo. Uma besteira danada, de cinco a seis árvores aqui. Com esta duplicação, vai beneficiar todo mundo”, argumenta.

Pracinha

Ao ser perguntado sobre as expectativas da possível qualificação ambiental da praça onde fica localizado o bar, Carlos Gomes afirmou que os comerciantes da região já tentaram marcar duas reuniões com a Secretaria de Infraestrutura de Fortaleza (Seinf) para tratar sobre o assunto, mas que ainda não receberam retorno e explicação sobre a continuidade das obras.

Ele também disse que no início das obras da via, os comerciantes ficaram receosos com a possível extinção da praça, mas que ficaram mais aliviados porque a pasta prometeu que o espaço não seria destruído. “Ele marcou duas reuniões com os comerciantes daqui da Aguanambi, mas não tivemos a oportunidade de conversarmos com ele para nos explicar como seria aqui. Nunca falaram nada não. Chegaram aqui e foram fazendo. Tomara que seja pelo menos que seja deixado bonitinho e desorganizado”, espera.

De acordo com licença ambiental, expedida pela Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma), em que O POVO Online teve acesso, o serviço faz parte da “supressão de 16 árvores e o transplantio de oito (cinco coqueiros e três palmeiras) para viabilizar as obras da avenida da avenida Aguanambi, entre os trechos do viaduto da av. Treze de Maio e o cruzamento com a avenida Domingos Olímpio”. 

O POVO Online tentou contato com a assessoria de comunicação da Secretaria de Infraestrutura de Fortaleza, mas as ligações não foram atendidas até a publicação desta matéria.

Obras

Em setembro deste ano, as obras da avenida Aguanambi estavam 65% concluídas, segundo a Seinf. O projeto prevê ainda a requalificação e urbanização da avenida, que terá quatro faixas para fluxo de veículos, sendo uma exclusiva para o transporte público, além de novas calçadas, ciclovia, instalação de seis estações de ônibus junto ao canteiro central, a reforma de duas praças e da rotatória existente sob o novo viaduto.

A retirada dos canteiros marginais, que está em curso, já é parte da segunda fase de requalificação da avenida. Haverá, na parte central da via, a implantação do corredor exclusivo de ônibus BR-116/Aguanambi, que funcionará da mesma forma que o da avenida Bezerra de Menezes. O canal existente na Aguanambi terá 36% da superfície coberta para receber as estações de ônibus. O projeto prevê também a implantação de um binário nas ruas Coronel Sólon e Padre Matos Serra, no bairro José Bonifácio (Regional IV). A ciclovia no local terá cerca de 4 quilômetros em ambos os sentidos. O modal será implantado junto às calçadas, que receberão reforma e sistema de drenagem.

 

TAGS