PUBLICIDADE
Fortaleza
Marinha

Fuzileiros navais realizam treinamento com patrulhas em áreas de Fortaleza

Iniciativa tem a participação de 120 fuzileiros navais. Marinha nega que seja represália após pichação e saída de subtenente

17:44 | 12/10/2017

(Foto: Assessoria do Comando do 3º Distrito Naval)
O Grupamento de Fuzileiros Navais de Natal (GptFNNa) está em Fortaleza realizando um treinamento com atividades que incluem patrulhas em áreas aos arredores de equipamentos pertencentes a Marinha, nos bairros Vicente Pizón, Jacarecanga, Mucuripe. De acordo com a assessoria do Comando do 3° Distrito Naval, o exercício intitulado Garantia da Lei e da Ordem realiza também vistorias e inspeções por meio de patrulhas motorizadas e a pé.

Conforme o relações públicas do 3º Distrito Naval, capitão Cleber Ribeiro da Silva, porta-voz do exercício em Fortaleza, a atividade foi iniciada na última sexta-feira, 6, e não tem duração específica. “O serviço prevê a realização de diversas etapas e dura até que todo cronograma seja cumprido”, explica.

A iniciativa tem a participação de 120 fuzileiros navais, além do apoio dos militares da Escola de Aprendizes Marinheiros, Capitania dos Portos e Polícia Militar. No exercício, os militares fazem simulações de ações que podem ocorrer em uma situação real.


Segundo a assessoria do Comando, a atividade faz parte do Plano de Adestramento do GptFNNa e tem o propósito de manter a qualificação dos militares neste tipo de atividade e estreitar o relacionamento institucional com os Órgãos de Segurança Pública.

Em nota, a Polícia Militar do Ceará (PMCE) informou que participação de policiais militares no treinamento do Grupamento de Fuzileiros Navais de Natal consiste em ministrar técnicas de abordagens durante patrulhamentos nas comunidades; sobre a expertise do território onde os profissionais de segurança atuam; além de como identificar ações suspeitas. A parceria se restringe ao patrulhamento periférico nas áreas, que são de responsabilidade da Marinha do Brasil.

Ainda segundo a nota, em caso de flagrante, o procedimento é feito pela PMCE, uma vez que se trata de um treinamento, sem carácter de permanência.

Possível represália

(Foto: Tatiana Fortes/ O POVO) Na ocasião, base da PM chegou a fazer vigilância próximo ao terreno do Farol
No dia 4 de outubro O POVO noticiou que um subtenente da Marinha teve que sair do local onde morava com a família, após sofrer uma série de ameaças de um grupo criminoso, por pedir a líderes comunitários que intercedessem por conta de uma pichação com a sigla de uma facção criminosa feita no muro do novo farol, no Vicente Pizon.

O capitão Cleber Ribeiro negou que a presença dos fuzileiros navais de Natal seja uma represália ao acontecido com o subtenente. “No tocante a Garantia da Lei e da Ordem, possui um programa de adestramentos, em que fez um treinamento em Natal em julho e agora está realizando aqui”, afirma.

Conforme o relações públicas do 3º Distrito Naval, “o militar que trabalhava no farol só saiu de lá por que havia saído a  transferência dele para a reserva remunerada por tempo de serviço, o mesmo  já deixaria a residência para ser ocupada por seu substituto”, disse.

Em nota enviada na época ao O POVO, a Capitania dos Portos do Ceará informou que solicitou o apoio da polícia para verificação da ocorrência, apagou as pichações e reforçou a segurança do terreno do Farol.

Ainda segundo o capitão Cleber Ribeiro, não foi registrada nenhuma ocorrência durante o exercício do Grupamento de Fuzileiros Navais de Natal, “que transcorre de maneira tranquila e sempre com o apoio dos órgãos de segurança pública”.

LENA SENA