PUBLICIDADE
Notícias

Número de mortes por meningite bacteriana mais grave já chega ao total do ano passado

Sete dos 17 óbitos por meningites foram de Doença Meningocócica (DM), a mais grave das meningites bacterianas

19:01 | 18/08/2017
NULL
NULL

[FOTO1]

A Doença Meningocócica (DM), mais grave das meningites bacterianas, já causou a morte de sete pessoas no Ceará em 2017. O número corresponde ao total de mortes pela DM em todo o ano passado. Ao todo, 24 casos dessa doença foram confirmados neste ano - quatro a mais do que em 2016 -, segundo dados do último Boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), no dia 7 de agosto.

Em relação às diversas meningites, foram confirmados no Ceará, até a última semana epidemiológica deste ano, 185 casos - incidência de 2,6 casos por 100 mil habitantes. O número já corresponde a 67, 27% do total de 2016, quando foram confirmados 275 casos de meningites - o que significa uma incidência de 3,7 casos por 100 mil habitantes.

De acordo com dados da Sesa, a taxa de letalidade para todas as meningites é de 9,2%. Em 2016, 76 dos 184 municípios do Ceará registraram casos confirmados de meningites e 23 tiveram mortes. Já neste ano, foram confirmadas meningites em 58 municípios e mortes em 8 das cidades cearenses.

A Sesa ainda aponta que 14,59% dos casos de meningites confirmados neste ano foram na faixa etária de 30 a 39 anos, com predomínio no sexo masculino. Nas faixas etárias acima de 70 anos, não foram registrados casos.

Por serem doenças de notificação compulsória imediata, a DM e outras meningites devem ser notificadas às secretarias de saúde em até 24 horas.

A prevenção e controle da doença são feitos por quimioprofilaxia com antibióticos e a vacinação. A primeira, conforme a Sesa, é recomendada para os contatos próximos e deve ser realizada o mais precocemente possível. A forma mais eficaz de prevenção da DM consiste na vacinação.

Caracterizada por processo inflamatório das leptomeninges, as meningites podem ser causadas por bactérias, vírus, fungos ou agentes não infecciosos.

Os três principais sintomas são dor de cabeça muito forte, muito vômito (e em jato) e febre alta.

Redação O POVO Online

TAGS