PUBLICIDADE
Notícias

Primeiros meses de 2017 têm queda de 53% nas mortes nas rodovias federais no CE

Até abril de 2016, foram contabilizados 86 mortos, enquanto no quadrimestre deste ano o número chegou a 40

20:12 | 09/05/2017
NULL
NULL

[FOTO1] 

As mortes nas rodovias federais que cortam o Ceará caíram 53% nos primeiros quatro meses de 2017, em comparação com o mesmo período do ano passado. Até abril de 2016, foram contabilizados 86 mortos, enquanto no quadrimestre deste ano o número chegou a 40. O balanço foi divulgado na noite desta terça-feira, 9, pela Polícia Rodoviária Federal.

[SAIBAMAIS]
Houve queda também de 39% no número de acidentes graves (considerados aqueles com pelo menos um ferido grave ou um óbito), caindo de 263 para 160. No total dos acidentes, a PRF registrou 853 no primeiro quadrimestre de 2106, contra 706 neste ano, obtendo a variação de 17%


O número de feridos nos primeiros quatro meses do ano passado foi de 781. Até abril de 2017, a PRF contabilizou 636 feridos em acidentes nas rodovias federais, registrando queda de 19%.


De acordo com a PRF, até abril, foram realizadas 410 campanhas educativas, nas quais foram alcançados 19.682 usuários das rodovias federais.


Ultrapassagens indevidas sobem


Apesar do aumento no valor da multa das ultrapassagens indevidas, condutores continuaram a realizar a infração nas rodovias federais no Ceará. O quadrimestre inicial de 2016 teve 4.683 autos de infração por ultrapassagens indevidas, segundo a PRF. No mesmo período em 2017, o número subiu para 5.462, um aumento de 17%.


Excesso de velocidade


Em 327 fiscalizações realizadas com radares móveis, foram capturadas 91.587 imagens, ou seja, mais de 91 mil motoristas transitando acima da velocidade permitida para a via, um aumento de 111%, comparado com o mesmo período de 2016.


Álcool e direção


Os dados apontam que em 2016 foram autuados 332 condutores, já em 2017 o registro foi de 363 autuações, um aumento de 9%. No ano passado, foram realizados 25.724 testes, e em 2017, 30.027 testes, um aumento de 17%.

TAGS