PUBLICIDADE
Notícias

Mutirão realiza mais de 150 atendimentos pelo SUS no HU e na Meac

A ação tem objetivo de diminuir a espera de pacientes na fila por procedimentos, como cirurgias de tireoide e ultrassonografias mamárias

11:28 | 30/05/2017
Médico faz ultrassom em mulher
Médico faz ultrassom em mulher

[FOTO1] 

O Hospital Universitário Walter Cantídio, do Complexo Hospitalar da Universidade Federal do Ceará (UFC), e a Maternidade Escola Assis Chateaubriand (Meac) participam nesta semana do 2º Mutirão Nacional da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). Serão realizadas 32 cirurgias de tireoide (tireoidectomias) e 120 ultrassonografias mamárias nas unidades em pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).

Com a ação, um número significativo de procedimentos será antecipado, diminuindo a preocupação de pacientes durante a espera pelos procedimentos. "As pacientes ficam extremamente preocupadas por causa do estigma do câncer de mama. É uma forma de evitar ansiedade e brir a agenda de agosto a novos pacientes", frisa a mastologista da Meac, Cristiane Coutinho.

Os 120 procedimentos na Meac representam a metade da quantidade de ultrassonografias mamárias realizada em um mês. O mutirão inclui ainda ações educativas de prevenção de câncer de mama, planejamento familiar e combate às Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), além de palestras sobre aleitamento e doação de leite materno.

Sete tireoidectomias já foram realizadas nesse sábado, 27, e a quantidade total de cirurgias programas corresponde a dois meses de procedimentos no hospital. Os pacientes atendidos no mutirão, no caso das cirurgias, são aqueles que possuem tumores benignos com a partir de 3 centímetros ou apresentam disfunção na glândula (hipertireodismo).

Os pacientes com nódulos malignos são os que têm antedimento prefenrical e, por isso, àqueles com tumores benignos chegam a ficar até um ano na fila de espera. A estratégia do mutirão é justamente beneficiar esse pacientes, que também necessitam da cirurgia, conforme o professor do departamento de Cirurgia do HU e coordenador da disciplina de cirurgia de Cabeça e Pescoço da UFC, Francisco Monteiro.

O crescimento dos nódulos, mesmo que benignos, prejudica o funcionamento dos órgaos circunadjacentes à glândula, como traqueia. Monteiro destaca que, no caso do hipertireoidismo, a tireoide produz hormônio além do necessário, desencadeando alterações psicosomáticas graves, palpitações, emagrecimento e tremores.

Ao todo, 39 hospitais universitários federais do País participam mutirão, e aprevisão é a disponibilização de mais de 8 mil atendimentos via SUS. As cirurgias de tireoide, na capital cearense, serão realizadas na terça-feira, 30, na quarta-feira, 31, e na quinta-feira, 1º.

TAGS