PUBLICIDADE
Notícias

Homem mata motociclista após confusão com travestis e crime é flagrado por câmeras

A Polícia conta com imagens captadas por câmeras residenciais que mostram o momento do crime

19:44 | 26/05/2017
NULL
NULL

[FOTO1]

O 4º Distrito Policial (DP) investiga o atropelamento que matou o motociclista Auricélio Lima Vieira, de 55 anos, no bairro Joaquim Távora, em Fortaleza, após o condutor do veículo Hyundai Azera se envolver em confusão com travestis. A Polícia agora conta com imagens captadas por câmeras residenciais que mostram o momento do crime. As travestis ainda não foram ouvidas pela Polícia.

O delegado Munguba Neto, titular do 4º DP, afirma que "o inquérito já está praticamente concluído", mas que ainda faltam ouvir outras duas testemunhas: as travestis. O inquérito deverá ser apresentado à Justiça na próxima semana. O motorista se apresentou à delegacia no dia 11 de abril último, quatro dias após a morte do motoqueiro.

Em depoimento à Polícia, o suspeito, Victor de Carvalho Alves, afirmou que deu carona à três pessoas que anunciaram o assalto quando ele parou o veículo. O empresário contou que "tentava escapar do local" quando as travestis estariam jogando pedras contra ele, e por isso acabou atropelando o motociclista. Seis pessoas foram ouvidas sobre o caso. A perícia oficial ainda não foi divulgada.

"Ele (o motorista) estava em alta velocidade e colheu o condutor da moto na contramão", disse o delegado Munguba Neto. O suspeito poderá responder em liberdade por homicídio qualificado, de acordo com o artigo 121 do Código Penal, que prevê reclusão de seis a 20 anos; ou pelo artigo 312 do Código de Trânsito Brasileiro, que prevê detenção de seis meses a um ano ou multa.

De acordo com o advogado da família, Artur Feitosa Arrais, as filmagens foram submetidas a um perito criminal particular, que aponta que o "condutor do veículo não estava em comportamento de fuga, mas com atitude de perseguição contra as travestis".

"A família quer uma investigação rigorosa para que ele pague pelo fato", afirma o advogado. "A família confia plenamente na autoridade policial e aguarda o indiciamento do condutor do veículo".

[VIDEO1] 

Redação O POVO Online
TAGS