PUBLICIDADE
Notícias

Segurança é indiciado por clonagem de cartões e cultivo de maconha

No local foi encontrado um computador com o programa responsável por ler dados

17:49 | 07/02/2017
NULL
NULL

[FOTO1]Após a investigação, que começou a partir dos Boletins de Ocorrência (B.O) realizados no 5º DP (Parangaba), a Polícia Civil chegou ao segurança de barraca de Praia no Cumbuco, em Caucaia, Diogo de Almeida Silva, de 33 anos.  O homem é suspeito de clonagem de cartões e de manter uma plantação de maconha. A ação que resultou em apreensões de cartões e quatro pés de maconha foi na última sexta-feira, 3.

De acordo com o delegado Renê Andrade, no momento da abordagem, ele não estava em casa e a esposa, que estava na residência, foi presa em flagrante. No local foi encontrado um computador com o programa responsável por ler dados de chips e repassar para cartões virgens.

 "Normalmente, eles utilizam um sistema que joga sites modificados por emails e mensagens de texto. Essa ação funciona também com a participação de funcionários de comércios. Ele atuava como segurança de barraca de praia, o que facilitava", relata.

Na residência, localizada na Rua Lins do Rêgo, foram apreendidas 70 munições, 14 cartões de crédito e débito, três notebooks e um fardamento original do Exército Brasileiro, sendo que o último configura como crime militar. Além de material para manutenção de armas e esferas de chumbo.


  O titular do 5º DP diz que o segurança tem uma vida de ostentação. "Ele viajava para Inglaterra, Noruega, Portugal. Possuía três imóveis, sendo um em Maranguape e dois em Pacajus", relata. O delegado acredita que a prisão do suspeito vai ajudar a descobrir uma quadrilha especializada em clonagem de cartões.

 

Homicídios
 

[FOTO2]Diogo responde na Justiça por quatro crimes de homicídios. "Nas denúncias que recebemos era de que ele era um matador de aluguel e que na residência dele, em Maranguape, existia uma vasta plantação de maconha", diz Renê Andrade.

 Durante a ação policial, a plantação não foi encontrada, mas na residência de Fortaleza haviam quatro pés de maconha. "A equipe tinha a informação que ele plantava maconha para a produção, mas o terreno de Maranguape é em uma região de difícil acesso, na serra do Lagedo, não foi localizado ainda", explica.

 A companheira de Diogo, Anne Barbosa Moreira, de 25 anos, foi presa em flagrante pelos crimes de falsificação de documento particular (cartões de crédito e débito), pela posse de munição e por cultivar maconha. As investigações continuam.

TAGS