PUBLICIDADE
Notícias

Músico é preso por manter turista paulista em cárcere privado por três dias

Vítima tem 33 anos e contou que foi estuprada por oito vezes. Também afirma ter sido obrigada a pagarR$ 1 milpara ser liberada. Homem teria confessado extorsão, mas negado crimes sexuais

16:22 | 19/01/2017

Uma turista de São Paulo, de 33 anos, foi mantida em cárcere privado durantetrês dias por um músico cearense, no bairro Mondubim, em Fortaleza. A vítima afirmou, em depoimento, que foi estuprada por oito vezes pelo suspeito, neste intervalo, e obrigada a pagar a quantia de R$ 1 mil para ser liberada. Homem foi preso em flagrante por agentes da Delegacia de Proteção ao Turista (Deprotur).

De acordo com a delegada Adriana Arruda, a mulher contou que foi capturada por Jarbas Rafhael dos Santos Monteiro, de 31 anos, na terça-feira passada, dia 10, quando estava na avenida Abolição, no Mucuripe. A paulistafoi levada para o apartamento do músico, onde teria sido violentada e só foi liberada na sexta-feira seguinte, 13, por volta das 16 horas.

“Ele também a obrigou a ligar para uma amiga e pedirR$ 1 mil emprestados. Instruiu, inclusive, que ela dissesse que estava em Jericoacoara, teria sido assaltada e precisava do dinheiro”, revelou a delegada. A quantia foi depositava na quinta-feira, 12. Porém, como não conseguiu sacar todo o valor de uma só vez, Jarbas manteve a mulher presa por mais um dia, até que todo o valor fosse retirado.Em seguida, a paulista foi deixada na avenida Raul Barbosa, no Alto da Balança.

Programa
Na delegacia, a turista contou que descobriu o endereço do apartamento onde foi mantida porque ouviu o suspeito ao telefone, enquanto ele pedia uma pizza. Já o músico relatou que, na verdade, ele teria mandado um amigo buscá-la, pois ela seria uma acompanhante de luxo. Quando ela chegou à residência, ele teria revelado se tratar de uma extorsão.

“Provavelmente, nesse ponto, a versão dele sejaverdadeira. Talvez a vítima tenha ficado constrangida, achando que,caso seja garota de programa,não poderia ser considerada uma vítima de estupro. O que, na verdade, é um absurdo. Não é não!E qualquer pessoa pode ser vítima de violência sexual”, ressaltou Adriana.

A delegada disse ainda que, caso a mulher tenha mentido sobre essa informação, não haverá prejuízos ao inquérito, uma vez que isso não anula o fato de ela ter sido mantida em cárcere privado e extorquida. Já a acusação pelo crime estupro deverá ser incluída caso os exames de constatação de violência sexual e lesão corporaldeem positivos.

A mulher passou pelo atendimento protocolar de vítimas de estupro, recebeu um coquetel de medicações para prevenir doenças e retornou para São Paulo. Por sua vez, Jarbas, que é tecladista e estava com o celular e parte do dinheiro da vítima quando foi preso, foi autuado em flagrante por extorsão e cárcere privado.

O músico já tem antecedentes por dano, ameaça e Lei Maria da Penha. A delegada suspeita de que essa não seja a primeira vez que ele tenha praticado esse tipo de crime. O suspeito possuía várias fotos de outras acompanhantes de luxo no celular. “Ele achava nunca seria preso porque estava lidando com garotas de programa que, às vezes, não querem se expor, ir na delegacia e prestar depoimento. Preferem o anonimato e não denunciar”, declarou.

A delegada pede que possíveis vítimas procurem a delegacia para denunciar os crimes. Uma terceira pessoa, que teria dado auxílio ao suspeito, com apoio logístico, foi identificada e terá a prisão solicitada pela Deprotur.

Serviço

Deprotur
Endereço: Rua Costa Barros, 1971, Aldeota - 3º andar.
Contato: 3101-2488

TAGS