PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Fortaleza é a terceira cidade com maior número de mortes no trânsito, diz relatório

A capital cearense ficou atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro na quantidade de mortes no trânsito. Ceará ainda teve três cidades com os maiores índices de mortes no trânsito por 100 mil habitantes

12:05 | 06/01/2017
NULL (Foto: )
NULL (Foto: )

[FOTO1] 

Fortaleza é a cidade com o terceiro maior número de mortes no trânsito, de acordo com o relatório "Retrato da Segurança Viária", divulgado nessa quarta-feira, 6, pela Ambev com a consultoria Falconi. A capital cearense ficou atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro, que lideram em números absolutos.

Os número são relativos ao ano de 2014, com cruzamentos de dados de entidades como Associação Nacional dos Transportes Públicos (ANTP), Datasus (Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde), Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), além da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Considerando os municípios com mais de 20 mil habitantes, o Ceará ainda teve três cidades com os maiores índices de mortes no trânsito por 100 mil habitantes. São elas: Sobral (267 óbitos), Barbalha (69) e Redenção (80).

Em 2014, 20% dos municípios brasileiros concentraram cerca de 80% das mortes por acidentes de trânsito no Brasil. São Paulo, Rio de Janeiro, Fortaleza, Recife e Brasília, os municípios com a maior quantidade de mortes, representam quase 10% do total de óbitos.

[FOTO2]

[FOTO3] 

De acordo com o relatório, Rio de Janeiro e São Paulo são as únicas cidades que apresentaram mais de 1.000 óbitos por ano, enquanto 86% dos municípios apresentaram menos de 10 óbitos por ano. Ao todo, 25% de todos os municípios não tiveram nenhum óbito por acidente de trânsito em 2014.

Brasil
O estudo aponta que o Nordeste tem o segundo maior número de óbitos em acidentes de trânsito no País, ficando atrás apenas do Sudeste.

Em 12 anos, os acidentes com motos passaram a ser a principal causa de morte no trânsito, subindo de 19% para 37%. Entre 2003 e 2014, a frota de motocicletas no Nordeste aumentou 414%, saltando de 1,2 milhão para 6,2 milhões, representando 44% dos veículos da região.

Foram 6.849 mortes de acidentes com moto (51% do total), mais que o dobro das 3.223 vítimas de acidentes com carro (24%).

A estimativo do relatório é de que, apenas em 2014, foram gastos com óbitos e feridos por acidentes de trânsito mais de R$ 18 bilhões.

SERVIÇO
Confira o relatório completo no link.

TAGS