PUBLICIDADE
Notícias

Associação do MP apoia promotor que criticou secretário da Segurança

Segundo a entidade, o promotor Marcus Renan Palácio foi alvo de postagens ofensivas nas redes sociais devido ao seu posicionamento

21:48 | 30/01/2017

A Associação Cearense do Ministério Público (ACMP) manifestou apoio nesta segunda-feira, 30, ao promotor Marcus Renan Palácio, por meio de nota, após ele criticar a declaração do novo Secretário da Segurança do Ceará, André Costa. Segundo a entidade, o promotor foi alvo de postagens ofensivas nas redes sociais devido ao seu posicionamento.
[SAIBAMAIS]
O secretário de Segurança afirmou, em entrevista coletiva, que oferecia dois caminhos para os dois suspeitos de assassinar o cabo Arlindo da Silva Vieira e que ainda estão foragidos: "A Justiça ou o cemitério". Procurado pelo O POVO, o promotor Marcus Renan Palácio se posicionou de forma contrária ao titular da pasta. "Só há um caminho dentro da institucionalidade, que é o da Justiça. Falar em cemitério pode estimular reações desviadas e abusivas. Vide, por exemplo, a Chacina do Curió/Messejana", questionou.


Em nota, a ACMP diz que discordar do conteúdo jurídico de tese de atuação funcional defendida por um membro do Ministério Público, em seus pronunciamentos, é um direito de qualquer pessoa do povo em uma democracia.


"Todavia, desvirtuar, diminuir ou ridicularizar uma manifestação dada por um Promotor de Justiça na imprensa, valendo-se das redes sociais para tanto, apresenta-se como algo leviano e distante da realidade substancial, haja vista a firmeza e seriedade na atuação profissional do Promotor de Justiça Marcus Renan Palácio de Morais, reconhecidas em toda a Instituição Ministerial na sua eficiente e incisiva atuação nas Promotorias do Tribunal do Júri da Capital", comunicou a Associação.


O comunicado também afirma que o promotor "sempre agiu em seus pronunciamentos de forma técnica e jurídica". "Com efeito, a ACMP vem a público defender integralmente a postura adotada pelo Dr. Marcus Renan Palácio de Morais, o qual lastreou sua manifestação dada à imprensa com base em conceitos jurídicos e técnicos vigentes em um Estado Democrático de Direito, agindo com a liberdade e independência próprias de um Membro do Ministério Público".

TAGS