PUBLICIDADE
Notícias

PM usa balas de borracha e bombas de efeito moral contra jovens em festa na Serrinha

Frequentadores dizem que a ação foi infundada. Secretaria da Segurança aponta que policiais tiveram pedras jogadas contra si

11:20 | 19/09/2016

Um reggae realizado na Praça da Cruz, no bairro Serrinha, foi interrompido por policiais militares (PMs) por volta das 21h30min de domingo, 18. A ação acabou envolvendo balas de borracha e bombas de efeito moral disparadas contra o público. O episódio culminou na detenção de duas pessoas. No fim de semana, foram registrados outros dois casos de repressão das forças de segurança em festas ocorridas em espaços públicos da Capital.

 

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) afirma que os policiais do Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) e do Comando Tático Motorizado (Cotam) realizavam uma fiscalização sonora.

O uso de armamento menos letal foi necessário, segundo o órgão estadual, para dispersar um grupo que atirava pedras contra os policiais. Imagens de um cinegrafista amador mostram o momento da ação. Confira:

[VIDEO1]

Um dos organizadores do evento Roots and Sounds, que não quis ser identificado, tem outra versão para o episódio. Ele conta que o som da festa estava sendo desmontado, quando a PM deteve um dos frequentadores. O público reagiu, vaiando os policiais.

 

[SAIBAMAIS] 

Em seguida, continua o relato, os PMs passaram a disparar balas de borracha e usar bombas de efeito moral. Houve correria e algumas pessoas ficaram feridas, conta, embora não saiba precisar quantas. Uma outra pessoa foi detida por "peitar" os agentes.

 

A nota da SSPDS informa que duas pessoas foram conduzidas ao 11° Distrito Policial (11º DP), no bairro Pan Americano. Um rapaz de 22 anos foi detido por desacato e liberado após assinar Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO). Outro, de 21 anos, teria sido autuado por fingir ser militar. A pasta não informou se houve feridos na ação.

Segundo um frequentador da festa, que também não quis ser identificado, o rapaz de 22 anos foi detido após impedir que um policial o segurasse. Na chegada da PM, ele passou a correr e só parou por pensar que fossem atirar — foi quando voltou, narra a fonte. A fonte tem informações de que ele teria ainda sido espancado no caminho até a delegacia. A mesma fonte conta que rapaz de 21 anos foi detido porque apresentou um documento do Exército, mesmo já não fazendo mais parte da corporação.

 

Saiba mais
Foi o terceiro caso de repressão policial em festas ocorridas em praças nesse fim de semana na Capital. Na madrugada de sábado, 17, dois episódio do tipo foram registrados nas praças da Gentilândia, no Benfica, e dos Leões, no Centro. Nesta última, duas pessoas foram detidas após apontar truculência na prisão de um homem que teria furtado um celular. Mais tarde, a festa foi encerrada, com balas de borracha, pela Guarda Municipal. Relatos denunciam que a ação foi "desproporcional" e "desnecessária". Segundo a assessoria de imprensa da Guarda, os agentes tiveram objetos arremessados contra si após intervirem em uma briga entre um taxista e uma mulher no entorno da praça.


Na Gentilândia, segundo a Guarda Municipal, houve desacato contra os agentes após eles atenderam a uma ocorrência de briga no local, o que necessitou "uso moderado da força para dispersar o tumulto".

 

TAGS