PUBLICIDADE
Notícias

Mais da metade dos óbitos de menores de quatro anos eram evitáveis em Fortaleza

Os dados foram apresentados pela da Fundação Abrinq em cobertura online nesta terça-feira

14:58 | 16/08/2016
NULL
NULL

Na manhã desta terça-feira, 16, a Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança e do Adolescente apresentou dados sobre o cenário da infância nos municípios brasileiros durante uma coletiva online. O objetivo era disseminar mais uma ferramenta de análise de dados para o controle social das gestões municipais. A plataforma online, que está disponível no site Observatório da Criança e do Adolescente, revela dados preocupantes sobre indicadores sociais em Fortaleza.

A capital cearense se destacou por ter o percentual de 63,9% de mortes por causas evitáveis, que significam mortes causadas por falta de cuidados como consultas médicas durante o pré-natal, assistência durante o parto para a gestante e bebê. São as mortes que não ocorreriam se esses cuidados fossem disponibilizados pelo poder público, afirmou a fundação.

Fortaleza também foi citada na cobertura por apresentar em 2014 o percentual de 30,1% homicídios por arma de fogo contra crianças e adolescentes, o terceiro maior índice do Brasil. De acordo com a plataforma de dados, no Brasil, a média nacional por homicídios por arma de fogo foi de 21,3% em 2014, o equivalente a 9.098 mil casos. Destes, 575 homicídios foram em Fortaleza.

Segundo os dados apresentados no Observatório, aproximadamente 2,4 milhões de crianças e adolescentes residentes das capitais brasileiras encontram-se habitando favelas. Em média, 82,9% deles possuíam, em 2010, menos de quatorze anos. Em 2010, 133.233 mil crianças e adolescentes moravam em favelas na capital cearense.

A Fundação Abrinq destacou que a violência é a parte visível da falta da educação, equipamentos de educação, de cultura e a falta de assistência. A organização não governamental, defende que com base nos dados as propostas de solução para os problemas devem ser focadas nas causas da violência e não apenas nos efeitos.

O Observatório da Criança e do Adolescente é o espaço virtual que permite a consulta dos principais indicadores sociais e proposições legislativas relacionados direta e indiretamente à infância e adolescência no Brasil.

A Fundação destacou que os dados disponibilizados no site são frutos de pesquisas de órgãos públicos renomados como o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Ministério da Súde e da Educação.

Confira a coletiva na íntegra:

[VIDEO1] 

 

Redação O POVO Online

TAGS