PUBLICIDADE
Notícias

Trabalhadores em greve protestam em frente ao Hospital Universitário Walter Cantídio

Os funcionários do Complexo Hospitalar da UFC estão em greve desde a semana passada, mas mantêm os serviços de urgência e emergência

11:23 | 25/07/2016
NULL
NULL

Atualizada às 13h45min

Um grupo de funcionários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) realizou protesto em frente ao Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC), na manhã desta segunda-feira, 25. Ao todo, 25% dos funcionários estão em greve desde o último dia 20 deste mês, reivindicando melhores condições de trabalho.

O coordenador-geral do Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Federal no Estado do Ceará (Sintsef), Adriano Duarte, disse que a categoria exige melhorias desde maio. “Serviços de urgência e emergência continuam funcionando na unidade, porém com poucos atendimentos", afirma.

Entre as reivindicações dos funcionários, que também atuam na Maternidade Escola Assis Chateaubriand (Meac), estão: reajuste salarial com reposição da inflação de 10,36%, redução da jornada de trabalho para 30 horas/semanais, e revisão do Plano de Carreira, Cargos e Salários.

No Ceará, a Ebserh possui cerca de 1.544 profissionais lotados nos dois hospitais vinculados à Universidade Federal do Ceará, conforme dados repassados pelo Sintsef. Em maio, os funcionários paralisaram as atividades nas unidades por 48 horas, também em prol de melhores condições de trabalho.

O POVO Online entrou em contato com a Ebserh, que informou estar aberta às negociações para finalizar o Acordo Coletivo de Trabalho 2016/2017. A Ebserh disse que, com a greve, recorreu à Justiça do Trabalho para garantir a prestação dos serviços à população em cada uma de suas unidades hospitalares.

A Ebserh oferece reajuste de 8% nos salários dos funcionários e de 9% nos benefícios. Confira a nota da empresa, na íntegra:

''O Tribunal Superior do Trabalho (TST) acatou ação da Ebserh e concedeu, na última quarta-feira (20/07), liminar determinando a manutenção do contingente mínimo de 75% dos trabalhadores da estatal, para que o direito de greve não se sobreponha ao direito à vida e à saúde da população. Em caso de desrespeito à decisão do TST, o sindicato que representa a categoria poderá ser multado em R$ 75 mil por dia de descumprimento.

Ebserh esclarece, ainda, que, mesmo diante do cenário político-econômico atual, a proposta apresentada pela empresa conta com diversos avanços importantes. Em reunião, foi oferecido reajuste de 8% nos salários dos funcionários e de 9% nos benefícios (auxílio alimentação, auxílio pré-escolar, auxílio pessoa com deficiência, assistência médica e odontológica), valores superiores aos acordados em 2015. Além disso, foi apresentada a possibilidade de trabalho em turnos de 12h/36h para a área assistencial no período diurno e cinco dias por ano para acompanhamento de familiar em consulta/exame médico.

A empresa acredita no bom senso da categoria, para que os serviços prestados à sociedade não sejam prejudicados, uma vez que os atendimentos de saúde são essenciais para a população''.

Redação O POVO Online com informações do repórter Caio Faheina
TAGS