PUBLICIDADE
Notícias

Polícia prende quadrilha e evita assalto a banco

Ação aconteceu na terça-feira, 21, e quatro pessoas foram presas. Foram apreendidos uma pistola, um fuzil e seis emulsões de explosivos

20:04 | 22/06/2016

Ação policial impediu ataque à agência do Banco do Brasil em Mulungu. Foram presos três homens e uma mulher, e apreendidos um fuzil de AK-47, uma pistola 9 mm e seis emulsões de explosivos. A ação aconteceu na última terça-feira, 21, enquanto o grupo estudava as rotas de fuga a serem utilizadas depois da ação. 

O trabalho dos policiais civis da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF) teve início com a prisão de três homens próximo à entrada do município.  Após a prisão, a Polícia chegou até uma residência que seria o ponto de encontro, em que outros suspeitos se juntariam ao grupo. No local, foi realizada a prisão da mulher. 

Os explosivos seriam utilizados na explosão dos caixas eletrônicos ou dos cofres de agências bancárias. Foram encontrados também 190 gramas de cocaína e 50 munições de calibre 12, intactas.  Além disso, três veículos foram apreendidos - Toyota Hilux , VW Saveiro e um Fiat Vivace.

O delegado titular da Delegacia de Roubos e Furtos, Raphael Vilarinho, afirmou que o grupo seria responsável, por ataques ocorridos na região do Maciço de Baturité. "Inclusive, seriam os autores da ação criminosa ocorrida na agência do Banco do Brasil, no município de Capistrano, no último dia 15", afirmou.


Os quatro foram autuados em flagrante por porte ilegal de armas, receptação, associação criminosa e tráfico de drogas. A Polícia mantém as investigações para identificar os demais envolvidos com o grupo criminoso. O nome dos presos são: Josenildo Marques Palhan,28 – conhecido por “Sal” – que já possui antecedentes por homicídio e tentativa de homicídio; Francisco Jonathan Vasconcelos de Lima,29, conhecido por “Palhaço”, que já responde por roubo, receptação e associação criminosa; e Francisco Adriano Cordeiro Vieira, 40, conhecido por Abelardo, que possui passagens pela Polícia por roubo e associação criminosa. 
 
 
Redação O POVO Online 

TAGS