PUBLICIDADE
Notícias

Dobram os casos confirmados de febre chikungunya no Ceará

De acordo com os boletins epidemiológicos da Sesa, a doença passou de 267 para 548 confirmações no Estado. Febre e dores articulares persistentes estão entre os sintomas mais frequentes

20:50 | 06/05/2016

Chega a 548 o número de casos confirmados de chikungunya no Ceará.Em um comparativo com os dados do boletim epidemiológico do dia 20 de abril, quando o Estado registrava 267 casos, a doença cresceu 105,2%. Outros 463 casos permanecem sendo investigados pela Secretaria Estadual da Saúde (Sesa).

A doença foi confirmada em 37 municípios, destacando-se as cidades de Assaré e Capistrano com incidência de casos confirmados acima de 300 por 100 mil habitantes. Conforme os dados, a média de idade de maior incidência dos casos confirmados foi entre 41 e 86 anos de idade. Contudo, o médico infectologista, professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC), Anastácio de Queiroz Sousa a doença atinge pessoas de todas as idades.

"Mas, como ela causa forte sofrimento nas articulações, essas pessoas com idade mais avançada, muitas vezes, já têm outras doenças e sentem a chikungunya com mais intensidade", explica.

Entre os casos fora da curva de idade com maior incidência, está o de Carlos Henrique, 7, filho da funcionária pública Fernanda de Oliveira. "Ele sentiu uma dor no joelho, e a gente achou que era do futebol. Mas aí veio a febre muito alta e o outro joelho começou a doer muito também. Doía tanto, que ele não conseguia andar", descreve Fernanda os primeiros sintomas que levaram à internação médica que já completa três dias do menino.

A chikungunya foi a primeira das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti - as outras são febre amarela, zika e dengue - que Carlos contraiu. E como a chikungunya só tem um sorotipo, diferente da dengue que tem quatro, o menino agora está imune.

"O número de casos no Ceará é preocupante, porque quanto mais gente infectada, mais o mosquito tem de onde tirar o vírus e como é uma doença relativamente nova não têm pessoas imunes a ela. O potencial de que ela se espalhe é grande", comenta o infectologista, lembrando que a chikungunya causa fortes dores articulares, febre alta e, mesmo após a semana com sintomas mais intensos, pode levar ao sofrimento persistente por longos dias.

Meningite e influenza

A Sesa também divulgou boletins epidemiológicos de meningiete e influenza. O Estado já confirmou 58 casos de meningite que levaram a seis óbitos. Comparando com o mesmo período de 2015, houve uma redução de 18,3% no número de casos de meningites, porém houve um aumento de 61,5% no casos de meningites bacterianas - a forma mais grave da doença.

Já de influenza, houve a notificação de 56 casos, tendo sido confirmados dez para influenza A (H1N1), dois por outros vírus respiratórios (Parainfluenza 2 e Parainfluenza 3), 38 “não especificadas” seis permancem em investigação. Foram confirmados quatro óbitos, todos por influenza A (H1N1).

 

 

TAGS