PUBLICIDADE
Notícias

Morre, aos 91 anos, a galerista Ignez Fiúza

00:00 | 10/02/2016
NULL
NULL

Atualizada às 13h30min 

A galerista e restauranter Ignez Fiúza, 91 anos, morreu por volta das 17h40min desta terça-feira, 9, em decorrência de uma insuficiência respiratória, no Hospital Monte Klinikum. A cearense deixa cinco filhos. A família não informou sobre horário e local do velório e do sepultamento.

Ignez é considerada uma das maiores incentivadoras de artes no Ceará, onde deu notoriedade para diversos artistas locais e nacionais. Da Praia de Iracema, ela fez sua pátria. Na região, a marchand abriu sua galeria de artes e antiguidades na década de 70. Por meio século, o local incentivou a cultura e abrigou artistas consagrados e iniciantes. Também no bairro, inaugurou o famoso restaurante de charme La Bohéme, nos anos 80, em um espaço antes aproveitado apenas pela boemia cearense.

Dedicada ao estudo da arte, Fiúza apresentou em torno de 300 exposições. Em sua galeria promoveu mostras de objetos, esculturas e pinturas. Entre os destaques, a exposição individual de Bruno Pedrosa.

Em 2014, Ignez fez uma elegante festa para completar seus 90 anos, no Pirata Bar. Uma das últimas atividades ligadas à arte ocorreu no segundo semestre de 2015, quando montou em seu apartamento, localizado na Praia de Iracema, um curso para debater sobre a arte literária, formado apenas por mulheres.

A Casa Cor Ceará homenageou, em 2011, a galerista cearense. Na ocasião, ela também recebeu uma homenagem do neto Ronaldo, que redesenhou o restaurante La Bohéme, numa reabertura provisória dentro do evento de arquitetura e decoração. “Arte você trabalha por amor. Não dá tanto dinheiro, mas é muito compensador”, disse ela naquele ano, em uma das últimas entrevistas ao O POVO.

O prefeito Roberto Cláudio, por meio da Secretaria Municipal de Cultura de Fortaleza (Secultfor), falou sobre o falecimento da galerista. "A presença de Ignez Fiúza sempre foi uma referência de olhar para a cultura com a sensibilidade quem amava as artes".

"Sua trajetória deixa um expressivo acervo de ações e empreendimentos, notadamente no campo da pintura, que deve servir de inspiração às atuais e novas gerações", continuou. "Será sempre lembrada pelo inarredável compromisso com as mais legítimas expressões da arte do nosso Estado e de Fortaleza. Um dos mais ricos quadros da nossa cultura".

Redação O POVO Online

TAGS